Ministério Público apura demora na fila de exames de ultrassonografia no AM

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) instaurou um inquérito civil, nessa segunda-feira (6), para investigar as causas da demora para a realização de exame de ultrassonografia com doppler venoso na rede pública de saúde e a indisponibilidade do exame de angiotomografia TC de tórax. (Veja publicação no final da matéria)

O inquérito foi instaurado por meio da Portaria nº 29.2019, decorrente do Procedimento Preparatório n° 040.2018.000791, que apurava a denúncia de suposta demora para a marcação desses exames na rede estadual de saúde, registrada na Notícia de Fato n° 040.2018.000791.

Segundo informações obtidas junto ao Sistema de Centrais de Regulação (SISREG), pela Promotora de Justiça Silvana Nobre, titular da 58ª Promotoria de Justiça Especializada na Defesa dos Direitos Humanos à Saúde Pública, existem 8.665 pessoas aguardando autorização para o exame de ultrassonografia com doppler venoso, cuja realização vem demorando quase dois anos.

A investigação constatou, ainda, que o exame de angiotomografia TC de tórax, que integra a tabela de serviços cobertos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), sequer vem sendo oferecido pelo sistema de marcação online de exames e consultas.

O fim do prazo para instrução da Notícia de Fato n° 040.2018.000791 e da necessidade de utilização de meios mais eficazes de investigação, levaram à instauração do IC, cujo objeto é apurar as causas e circunstâncias que permeiam a formação de demanda reprimida para o exame de Ultrassonografia com Doppler venoso, bem como a ausência de disponibilidade para o exame de Angio TC na rede de saúde pública estadual.

Confira a portaria na íntegra