Ministério Público pede à Justiça a criação de leitos de UTI e o abastecimento de oxigênio à Coari por parte do Estado

Foto: Divulgação MPAM

Devido o aumento de casos da Covid-19 em Coari e as mortes ocasionadas pela falta de oxigênio no município, o Ministério Público do Amazonas (MPAM) ingressou com uma ação na Justiça para que o Governo do Amazonas crie novos leitos de UTI e pare de reter insumos, recursos financeiros e materiais, em especial o oxigênio destinado ao município, enviando dez cilindros por dia, pelo menos.

A reunião realizada entre os promotores Thiago de Melo Roberto, Rafael Augusto Del Castilo e a titular da Secretaria Municipal de Saúde, Francisnalva Mendes Rodrigues, trouxe à tona a informação sobre a aquisição de 227 cilindros de oxigênio pelo município, que foram confiscados sobre requisição administrativa pelo Governo do Estado.

Diante do cenário crítico, em meio à abstenção do governo do estado de confiscar recursos materiais pertencentes ao município, foi determinado o abastecimento imediato de oxigênio, sob pena de dano grave e irreparável à saúde e até à vida dos 27 pacientes internados e dependentes de alimentação por oxigênio no hospital local.

Ação para criação de UTIs

Em outra Ação Civil, assinada também pela promotoria de Coari, o MPAM pede a criação de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) no Hospital Regional Prof. Dr. Odair Carlos Geraldo, referência para o tratamento da doença, a fim de garantir o amplo acesso dos cidadãos aos serviços médicos de urgência necessários ao tratamento intensivo, garantindo o tratamento integral e efetivo.

Diante da atual situação de novos casos do novo coronavírus no Estado, a ACP instaurada requer a instalação imediata de um hospital de campanha no município com a finalidade de atender pacientes com suspeita e diagnostico da Covid-19. O hospital deverá contar com 100 novos leitos comuns e mais nove leitos de UTI, para atender, inclusive, as comunidades do entorno e fornecer o tratamento em local diferente dos demais doentes para que não haja risco de contaminação.

O MP pediu ao município, ainda, que providencie nove leitos de UTI adulto no hospital regional de Coari no prazo de 15 dias, e ainda sete leitos de UTI dos quais três leitos destinados para pediatria e quatro para neonatal. A ação reforça ainda que é de obrigação do estado ofertar leitos de UTI em Manaus ou em outros estados do Brasil, bem como a remoção dos pacientes em estado grave e que necessitam de atenção especial.

(*) Com informações da assessoria