Ministério Público quer que Susam explique uma fila com 150 pacientes para exame no AM

O Ministério Público do Estado (MPE-AM) instaurou um inquérito civil para apurar a fila de espera para realização de angiotomografia pela rede estadual de Saúde. Segundo o MPE, há, pelo menos, 150 pacientes esperando para realização do exame que consiste em uma tomografia computadorizada para visualizar artérias e veias do corpo. (Veja o documento no fim da matéria)

Dados do MPE-AM apontam que há 11 pacientes aguardando desde 2015 e outros 24 pacientes aguardando desde 2016. Em 2017, o número de pacientes à espera do exame subiu para 57 só naquele ano e, em 2018, outros 58 pacientes tentaram fazer a angiotomografia em hospitais da rede pública de Saúde no Amazonas.

O inquérito civil foi instaurado no dia 24 de janeiro via Portaria nº 12/2019 assinada pela promotora de Justiça Silvana Nobre de Lima Cabral, mas só foi publicado no Diário Eletrônico do MPE-AM na última segunda-feira (4).

“Fila da morte”

A “fila” à espera de consultas e exames na rede estadual de Saúde não é novidade para pacientes e nem mesmo para o Governo. De acordo com dados do relatório de transição elaborado por membros do Governo de Wilson Lima (PSC) apontam que haviam 92.257 pessoas à espera de uma consulta médica em diversas especialidades. Além delas, outras 91.599 pessoas aguardavam na tentativa de realizar um exame, muitas vezes simples, como uma ultrassonografia. 

Eles estão na denominada “fila da Saúde”, assim chamada pelos Governos, mas também conhecida como “fila da morte” pelos pacientes que sofrem dia após dia.

Uma criança, por exemplo, precisa ficar, no mínimo, 430 dias, ou seja, mais de um ano, à espera de uma consulta com um ortopedista pediátrico. E se a consulta é com um ortopedista é porque algo não está no lugar não é? Até novembro de 2018, haviam 6.612 crianças à espera de um ortopedista.

Se para as crianças a situação não está fácil, para os idosos acima de 60 anos, piorou: mais de 1,4 mil aguardavam, no mínimo, por 340 dias, quase um ano, por uma consulta com um neurologista.

As maiores filas são para uma consulta com urologistas, onde existem 14,6 mil pacientes a espera de atendimento, e gastroenterologistas, com 14,1 mil pacientes à espera de uma consulta.

Em nota, a Susam informou ao Radar que ainda não foi notificada pelo MPE sobre o inquérito civil, mas que já está estudando a possibilidade de contratação do serviço pela iniciativa privada.

Leia a nota na íntegra:

A atual gestão da Secretaria de Estado de Saúde (Susam) ainda não foi notificada pelo Ministério Público sobre o processo, mas informa que já identificou o problema e estuda a possibilidade de contratação do serviço pela inicia privada para atender à demanda reprimida.  A angiotomografia não possui cobertura do Sistema Único de Saúde (SUS). Em Manaus, o procedimento era realizado na rede estadual pelo Hospital Universitário Francisca Mendes, mas foi interrompido em 2014. Desde então, os serviços passaram a ser contratados individualmente, conforme demanda administrativa ou judicial que chegam à Secretaria.

Leia a Portaria nº 12/2019 do MPE-AM.