Ministério Público recebe denúncias de desvio de recursos federais até mesmo da merenda escolar contra o “padre” prefeito de Coari

ministério publico

As mais atuais denunciam feitas contra o “padre” – o irmão redentorista se apresentou assim na campanha eleitoral de 2012 – prefeito de Coari, Igson Monteiro, para o Ministério Público do Estado (MPE), em Coari, são de que ele teria desviado recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), até mesmo da compra de merenda escolar. Isso sem contar que os fornecedores transporte escolar estão há meses sem receber pagamento e que há alegação da falta de pagamento inclusive de servidores da educação, recursos que também são provenientes do dinheiro do Fundeb.

Mas o sumiço de recursos federais na administração de Coari, segundo os denunciantes, não para por aí. O “padre” Igson Monteiro estaria sumindo até mesmo como dinheiro dos empréstimos consignados feitos por servidores da prefeitura com a Caixa Econômica Federal. Os descontos dos valores dos empréstimos já vêm nos contracheques, mas não estão sendo repassados ao banco. O resultado é que os funcionários da administração do “padre” estão na lista de devedores do banco, estão sem crédito na praça, o que se chama popularmente de estar com o “nome sujo”, penalizados duas vezes, já que recebem o salário com valor menor por causa dos descontos dos empréstimos e mesmo assim ainda são tratados como “caloteiros”. Foram eles que fizeram a denúncia ao Ministério Público de Coari e, em mais esta ação, o prefeito Igson Monteiro está sendo acusado de “apropriação indébita de recursos federais”, passível de punição até mesmo com detenção.

Essas informações foram repassadas pelo promotor público de Coari, Felipe da Cunha Fish, a um dos amigos do Radar que reside em Coari. Segundo ele, o MP já abriu processo investigatório para apurar as denúncias.

E, neste momento, me veio uma pergunta à mente: me responda quem quiser, como pode um prefeito que conta com uma receita mensal em torno de R$ 22 milhões (dados oficiais que estão no site da prefeitura mas só até o mês de abril), ainda desviar dinheiro da merenda escolar? Ou ficar com pagamentos de empréstimos dos funcionários de sua administração? É muita falta de vergonha, né mesmo gente? (Any Margareth)