Ministro diz para jornalistas falarem a verdade

Visivelmente insatisfeito com determinadas perguntas feitas por jornalistas, o ministro da Casa Civil do Governo de Bolsonaro, Onyx Lorenzoni, falou que os jornalistas deveriam dizer a verdade. Mas, afinal qual a verdade que o ministro gostaria que fosse dita pela imprensa, já que a “verdade” no governo de Jair Messias Bolsonaro muda conforme o humor – ou seria melhor dizer mau humor? – e as intenções – ou seria melhor dizer más intenções? – do presidente da República.

É só lembrar que o desmatamento da floresta amazônica foi insistentemente negado por Bolsonaro, provocando inclusive a demissão do diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Ricardo Galvão. A “verdade” dita pelo presidente é que os números alarmantes de áreas desmatadas na Amazônia estavam propositalmente errados para prejudicar seu governo e a imagem do País internacionalmente.

E mais uma das “verdades” que saíram da boca do presidente da República é que Ricardo Galvão, um físico e engenheiro, professor da Universidade de São Paulo (USP) e membro da Academia Brasileira de Ciências, um cientista respeitado internacionalmente, estava “à serviço de alguma ONG”.

Mas as verdades de Bolsonaro caíram por terra – ou seria melhor dizer viraram fumaça? – quando o dia virou noite em São Paulo por causa da fumaça negra das queimadas ilegais que estão até hoje destruindo a floresta amazônica e sua biodiversidade. Assim como a natureza está virando cinzas, as verdades de Bolsonaro rapidamente viraram mentiras.

Bolsonaro foi desmentido até mesmo pelo país do presidente que adora bajular, seu irmão siamês, Donald Trump. A Agência Espacial Americana (NASA) mostrou, por imagens de satélite, a fumaça das queimadas sobre o Estado do Amazonas, Mato Grosso e Rondônia. Isso deixa evidente que o cientista Ricardo Galvão, jamais manipulou número de queimadas e que falava de ciência tão somente, enquanto Bolsonaro distorcia a verdade a seu bel prazer para satisfazer seus interesses.

Mas aí Bolsonaro inventou novas “verdades”, bem aos moldes daqueles que estão acostumados a criarem teorias da conspiração e ataques imaginários para poder posar de salvadores da Pátria para os ingênuos e incautos. Desta vez as tais ONGs, as quais nunca Bolsonaro diz os nomes, estavam botando fogo na floresta para conspirar contra seu governo. E nem precisou de investigação da Polícia Federal para ver que a nova “verdade” conspiratória de Bolsonaro era mentira.

Ele foi desmentido por seu próprio ministro, o mesmo que só quer que os jornalistas falem a “verdade”, Onyx Lorenzoni, que durante a coletiva com a imprensa disse que os governos, tanto estadual quanto federal, estão “combatendo as causas das queimadas que são o desmatamento ilegal e o garimpo”. Mas não eram as Ongs que estavam tocando fogo na mata?

Bem que os repórteres tentaram fazer essa e outras perguntas pra descobrir quais são as tais “verdades” que Onyx Lorenzoni quer que digamos. Lorenzoni deu as costas e foi embora, mesmo com os berros de jornalistas, chamando pra que ele respondesse aos questionamentos. O ministro fugiu da coletiva de imprensa como o diabo foge da cruz e, como dizem nossos manos lá do interior, “correu pro mato” pra quem sabe esconder suas “verdades”.