Moradores de Tefé questionam gastos de R$ 4,1 milhões feitos pelo prefeito, mas estrada da Emade está só lama

Obra foi realizada em 2021 mas a estrada está que é só lama

Moradores do município de Tefé denunciaram ao Radar Amazônico a atual situação da estrada do Emade, localizada no município e que estaria tomada por barro e lama, ao invés de asfalto.  A obra teve custo total de R$4,1 milhões (R$4.158.702,15), com a empresa Nem Comércio de Materiais e Serviços de Mãos de Obras Ltda, sendo contratada em março de 2021. Na época, a obra contratada pelo prefeito Nicson Marreira (PTB) foi feita com dispensa de licitação, através da Comissão de Licitação do município. (ver termo de dispensa de licitação no final da matéria)

Apesar do custo milionário, moradores denunciaram que a obra foi feita apenas para maquiar um possível desvio de verbas públicas. Na época, foram feitos apenas alguns tapa-buracos, ao longo da estrada do Emade,  para enganar a população e poderem prestar conta ao Tribunal de Contas do Estado. O povo de lá pede por socorro”, revelou o denunciante.

Na licitação que informava a contratação da empresa não foi detalhado o que justificaria o gasto de R$4,1 milhões, apenas colocado como reforma emergencial da estrada. Pouco mais de um ano após a contratação, a estrada volta a sofrer com os problemas de falta de trafegabilidade.

Outras polemicas

Vale lembrar que em 7 de maio, a Defensoria Pública do Amazonas (DPE-AM) pediu informações da Prefeitura de Tefé (distante 522 km de Manaus), sob a administração do prefeito Nicson Marreira (PTB), que justifique o motivo das estradas em áreas rurais do município estarem em péssimas condições. Conforme relatos da população, as estradas Emade e Agrovila estão intrafegáveis, gerando impactos na economia local.

Veja a dispensa de licitação na íntegra