Moradores do beco Ipixuna temem que prédio da Assembleia de Deus desabe sobre suas casas

Moradores do beco Ipixuna, localizado no centro de Manaus, denunciaram ao Radar Amazônico o risco de desabamento da Igreja Evangélica Assembleia de Deus. A equipe de reportagem esteve no local na manhã desta sexta-feira (26) e constatou a veracidade da denúncia.

Andrew Gomes, morador do local,  contou que preferiu abandonar o antigo endereço à viver sob o risco iminente de ter prejuízos materiais ou correr o risco de, quem sabe, perder até a vida. Ele também revelou que já entrou em contato com Alan Anderson, pastor responsável pelo imóvel, mas a única iniciativa tomada até o momento, foi a sustentação improvisada da estrutura – que possui dois andares – com pequenos e estreitos pedaços de pau.

“Na última sexta-feira, houve uma forte chuva que nos deixou ainda mais preocupados com a estrutura desse templo. Então, a fim de preservar as nossas vidas, resolvemos nos mudar no domingo. E mesmo assim, no decorrer da semana, nós entramos em contato com órgãos responsáveis por fiscalizar esse tipo de imóvel”, disse o morador.

Ainda segundo o Andrew, um técnico da Defesa Civil fez uma inspeção no local ontem (25) e alertou que é muito perigoso permanecer na área.

A estrutura da igreja já causa prejuízos aos vizinhos. A casa ao lado do local teve seu corredor principal afundado devido o peso da estrutura, revelando várias rachaduras no solo.

A preocupação atual da vizinhança é que o pior possa acontecer se outra tempestade atingir Manaus.

Resposta do pastor

RADAR entrou em contato via telefone com o pastor, Alan Anderson. Ele afirmou que a demolição do imóvel está agendada para ser realizada no decorrer da próxima semana.

De acordo com Alan, um engenheiro da igreja já foi encaminhado ao local para fazer um laudo técnico de como pode ser feita a demolição sem que a estrutura toda desabe de uma vez só e possa por em risco tudo à sua volta.

“Sábado passado, eles filmaram e fotografaram. Fizemos o escoramento da estrutura na parte traseira, onde tem o desnível do terreno, para gente poder subir e fazer a retirada do material da igreja e, assim conseguir ir demolindo”.

O Radar também entrou em contato com a Defesa Civil do município que, segundo os moradores da área, ja esteve lá no local, mas não obtivemos resposta até a postagem da matéria.