Morre homem que teve 80% do corpo queimado em explosão de gás no condomínio Verona

Foto: Reprodução

Morreu na manhã desta sexta-feira por volta das 7h, José Alberto de Sena, de 42 anos que estava internado no Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto. O homem havia queimado 80% do corpo, na explosão de gás que ocorreu na noite dessa quarta-feira (24), no condomínio Verona, localizado no bairro Lago Azul, zona Norte de Manaus.

Segundo nota da Secretaria de Estado da Saúde (SES-AM), o paciente chegou com queimaduras em 80% do corpo e estava no Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) recebendo cuidados da equipe médica e de enfermagem da unidade. No entanto José sofreu três paradas cardiorrespiratórias.

A direção do HPS ressaltou que todos os esforços foram feitos pela equipe médica e de enfermagem da unidade para tratar e manter a vida do paciente. A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) lamentou o falecimento do paciente e se solidariza com a família.

Outras cinco vítimas foram atingidas pela explosão, sendo quatro crianças e uma mulher. Jéssika Santos Carvalho, 26 anos, foi atendida e, como apresentou ferimentos leves, não foi a uma unidade hospitalar. As crianças seguem internadas em hospitais de Manaus, uma delas em Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Explosão

Um vazamento de gás causou a explosão na noite da última quarta-feira (24), um apartamento ficou totalmente destruído. A Defesa Civil condenou o bloco e já determinou a demolição do imóvel.

De acordo com o diretor de Operações da Defesa Civil, major Robson Falcão, a explosão, que destruiu quatro apartamentos e comprometeu outros quatro, teria sido ocasionada pelo vazamento de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), popularmente conhecido como gás de cozinha.

“Os oito apartamentos foram condenados, não podem ser utilizados. Todo o prédio foi interditado e a área isolada, para evitar qualquer tipo de problema. O Instituto de Perícia Criminalística, da Polícia Civil, foi acionado, para também fazer o seu laudo e liberar o espaço ao condomínio, para que sejam feitas as demolições necessárias, uma vez que o local está em risco de desabamento, por isso foi interditado”, explicou o major.