Morte de Marielle completa um ano nesta quinta (14); atos e homenagens acontecem em Manaus

Reuters

Um ano após os assassinatos da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes, em 14 de março de 2018, no Rio de Janeiro, apesar da prisão do policial reformado Ronnie Lessa e do ex- policial militar Elcio Vieira de Queiroz no último dia (12), o mandante do crime ainda é desconhecido.

Por isso, milhares de pessoas saem às ruas nesta quinta-feira (14) para exigir respostas sobre o crime e reforçar suas bandeiras de luta com a pergunta “Quem matou Marielle?”.

Em Manaus, o ato “Marielle virou semente” vai acontecer a partir de 15h na Casa das Artes que fica na Rua José Clemente, 564 – Centro no Largo de São Sebastião.

O evento, organizado pelo Coletivo Rosa Zumbi, ligado ao PSOL, vai contar com palestrantes que abordarão temas como feminicídio, saúde da mulher, mulheres negras e direitos humanos. As atividades são gratuitas e abertas ao público em geral.

Atos nacionais

Dezenas de capitais brasileiras já realizaram manifestações ao longo da semana. cidade do Rio amanheceu tomada de homenagens à vereadora. No local do crime, no centro da capital, nas escadarias da Câmara dos Vereadores, no Complexo da Maré, por todo lado se viam flores e manifestantes entoando palavras de ordem.

Logo cedo, nas primeiras horas da manhã, no “Amanhecer com Marielle”, várias faixas e flores foram depositadas no local do crime, onde o carro da vereadora foi alvejado, no Estácio. Na escadaria da Câmara dos Vereadores, mulheres em pernas de pau estenderam uma faixa com os dizeres “Marielle Gigante”.

Nas escadarias do Palácio Tiradentes, sede da Assembleia Legislativa do Rio, foram espalhados mais de 300 girassóis pelos degraus. Uma faixa questiona: “Quem matou Marielle?” Às 10h estava previsto o início de uma missa solene pela memória de Marielle e Anderson, na Candelária, uma das principais igrejas do Centro da cidade. O cardeal-arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta, vai celebrar a missa, que contará com a presença da família da vereadora.

Na parte da tarde, na Cinelândia, está previsto um novo ato público em frente à Câmara dos Vereadores. No fim do dia, um ato político e cultural também será realizado no local. No Complexo da Maré, onde Marielle nasceu, outras homenagens estavam previstas ao longo da tarde.

Em São Paulo, o ato “Justiça para Marielle – vidas negras e periféricas importam” também acontece nessa quinta-feira (14) e começa às 17h na Praça Oswaldo Cruz. Está prevista uma aula pública sobre o legado de Marielle conduzida por Jupiara Castro do Núcleo de Consciência Negra e da deputada estadual Erica Malunguinho (PSOL).

Com informações de Agências.