MP diz que distribuição de dinheiro público feita pelo prefeito de Humaitá em ano eleitoral está “sob análise” 

Foto: Reprodução Facebook

O Ministério Público do Estado (MP-AM), em resposta a questionamento feito pelo Radar sobre supostas ilegalidades em ato do prefeito de Humaitá  (a 697 quilômetros de Manaus), Herivaneo Seixas, em distribuir dinheiro público para famílias do município através do “Vale Gás”, estão sendo analisadas. Após denuncias de moradores do município ao Radar, tornou-se púbico o fato de que, em dezembro de 2019, o prefeito as vésperas do ano eleitoral, lançou o que ele denomina de “Programa de Erradicação da Pobreza, conhecido popularmente como “Vale Gás”, que consiste na distribuição de R$ 100 (reais) para famílias carentes do município. O projeto de autoria do Executivo municipal foi aprovado pela Câmara Municipal de Humaitá.

O lançamento do tal programa foi inclusive tema de um vídeo que está mais para material publicitário do que jornalístico e foi publicado na imprensa da cidade. “Estou muito feliz hoje, por estar realizando um sonho na minha vida de trazer pro povo um benefício (..) Simplesmente um auxilio a pobreza que tanto necessita”, discursa o prefeito para uma multidão que foi chamada ao ginásio da cidade para receber o “Vale Gás”.

Considerando que estamos em ano eleitoral, o Radar  entrou em contato com o Ministério Público, questionando sobre a legalidade do programa criado pelo prefeito de Humaitá, através de análise da promotoria eleitoral do MP.

Em resposta, através de sua assessoria de imprensa, o órgão ministerial informou que Promotor de Justiça Caio Lúcio Fenelon Assis Barros, titular da 1ª promotoria de Humaitá, “tomou conhecimento dos fatos pela imprensa e está acompanhando a situação em Humaitá. De acordo com o promotor, as medidas cabíveis, tanto no âmbito eleitoral como no da probidade administrativa, estão sendo analisadas”.