MP e deputados tentam evitar greve dos terceirizados da saúde

Devido os atrasos salariais, que segundo terceirizados de saúde já chegam há seis meses, os deputados estaduais Wilker Barreto (Podemos) e Dermilson Chagas (PP) estiveram reunidos no Ministério Público do Amazonas (MP-AM), para encontrar uma solução que evite a realização de uma greve da categoria.

“Estamos aqui fazendo um apelo de socorro e deixar claro para o MP que se a saúde parar, vai morrer gente”, desabafou Wilker.

Sem acordo com o Governo, os profissionais de enfermagem, maqueiros, psicólogos e administrativos planejam uma greve em 72 horas que vai parar 70% dos profissionais das unidades de saúde do Estado. A medida desesperadora dos funcionários pode gerar mortes nos hospitais.

“Nós, enquanto Ministério Público, defendemos a tutela coletiva e vamos trabalhar para garantir a continuidade dos serviços. E a nossa ação vai ser nesse sentido e vamos atuar da melhor maneira”, afirmou a promotora Silvana Nobre.

O encontro, que ocorreu nessa quarta-feiura (13), contou com a participação da presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Serviço de Saúde do Amazonas (Sindipriv-AM), Graciete Mouzinho.

Com informações da assessoria do deputado Wilker Barreto.