MP e PF investigam fraude de R$ 50 milhões no seguro-desemprego

seguroAs fraudes contra o seguro-desemprego estão na mira do Ministério do Trabalho e da Polícia Federal. Nos últimos dois anos foram feitas em conjunto 11 operações de combate a esse tipo de crime em vários estados do país. As ações resultaram no desmantelamento de quadrilhas de estelionatários, com 88 pessoas presas. Foi descoberto também um prejuízo de mais de R$ 50 milhões aos cofres da união.

Só em Sorocaba (SP) são 70 casos registrados de fraude no benefício. “A vítima pode ser da cidade, mas a quadrilha está sacando em outro local. Então a investigação será feita pela cidade onde a quadrilha está efetuando os saques”, explica delegada Érika TatianaCoppini, da Polícia Federal.

A trabalhadora Edmara Apolinário Queiroz estava há um ano e três meses na mesma empresa em Sorocaba quando foi demitida em março. Com os documentos da rescisão em mãos, ela foi dar entrada no seguro-desemprego, mas teve uma surpresa quando a atendente acessou os dados. “A atendente disse que eu não tinha o direito de pegar meu seguro-desemprego. Perguntei para ela o por que e vi que tinha caído em uma fraude”, conta Edmara.

O dinheiro de Edmara já havia sido sacado em Goiânia. O endereço apresentado pelo fraudador existe, mas o imóvel e o número apresentado não. Com o número do PIS da auxiliar de produção alguém recebeu três parcelas do seguro-desemprego enquanto ela ainda estava empregada. “Me surpreendeu a facilidade que tiveram de conseguir os meus dados e conseguir sacar um direito meu que é no banco da Caixa Econômica Federal”, relata.

Edlaine Cristina Santos de Oliveira teve três parcelas sacadas no estado do Pará. No caso dela, foi um homem quem utilizou o PIS. “O número do PIS é vinculado a Carteira de Trabalho onde tem foto, assinatura. Como uma pessoa consegue receber em meu nome sendo do sexo masculino ainda? Quem recebeu o meu fundo de garantia?”, questiona.

Em nota, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) afirma que trabalha no aperfeiçoamento do programa do seguro-desemprego. Entre as ações de combate a fraudes está a implantação da biometria para a identificação dos beneficiários. “Nós montamos um processo que vai para a coordenação do seguro-desemprego em Brasília. Eles avaliam os casos para que a pessoa não perca o dinheiro”, finaliza a gerente regional do Trabalho em Sorocaba e região, Valquíria Camargo Cordeiro.

Fonte: G1