MP investiga prefeito de Maués pela suposta prática de nepotismo

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) investiga se o prefeito de Maués (a 267 quilômetros de Manaus), Carlos Roberto de Oliveira Júnior (PROS), sobrinho do deputado estadual Sidney, mais conhecido por Júnior Leite, contratou familiares para exercer cargos públicos comissionados e temporários no município, caracterizando prática de nepotismo. O MP também investiga indícios de nepotismo cruzado na atual gestão. Nepotismo cruzado ocorre quando um agente público contrata parentes de outro, a fim de empregar seus próprios familiares no gabinete do colega.

A promotora titular da 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Maués, Yara Rebeca Marinho, abriu o Inquérito Civil № 004/2018 (documento no final da matéria), no dia 20 de março, para apurar a possível prática de nepotismo. Para isso, a promotora requisitou a “ficha funcional de todos os servidores que exercem cargos de direção, chefia ou assessoramento, que exercem cargo em comissão ou de confiança ou, ainda de função gratificada na administração pública direta ou indireta municipal”.

O prefeito de Maués também terá de apresentar os contracheques dos referidos funcionários desde janeiro de 2017, até a presente data, assim como o ato de nomeação. Júnior Leite é apontado como possível autor de atos de improbidade administrativa.

Procurada pelo Radar, a Prefeitura de Maués, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que o “município irá apresentar documentos e informações que comprovam a inexistência de nepotismo no quadro de servidores, haja vista que nenhum dos mencionados na referida denúncia se encaixam nas hipóteses vedadas pela súmulas vinculante n. 13 do Supremo Tribunal Federal – STF e sendo muito dos citados funcionários concursados da Prefeitura de Maués”, diz.

Confira a denúncia