MP recomenda medidas de prevenção ao coronavírus na rede de ensino

Foto: reprodução

O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) expediu recomendação ao titular da Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc), Luiz Fabian, quanto ao cumprimento das determinações para prevenção e combate ao coronavírus (Covid-19) na rede estadual de ensino. O documento também é dirigido ao Presidente do Conselho Estadual de Educação e prescreve, além da suspensão das aulas nas escolas da rede pública e privada, a adoção imediata de uma série de providências com vistas à prevenção da contaminação pelo novo coronavírus. (Veja documento no final da matéria)

A recomendação pede a instalação de dispensadores de sabonete líquido nos lavatórios e pias, a disponibilização de papel toalha, álcool em gel, bem como lixeira com tampa e acionamento por pedal para o descarte de lenços e lixo.

Também devem ser providenciadas a limpeza e desinfecção diária de todo o ambiente escolar, incluindo-se maçanetas de portas, mobiliário, equipamentos e utensílios, como copos, pratos e talheres, que não devem ter uso compartilhado. Da mesma forma, deve-se impedir o uso de bebedouro coletivo, sem recipiente individual para coleta de água, recomendando-se o uso de garrafas de água individuais.

A oferta de merenda escolar, no refeitório, deve ser feita por turmas separadas de alunos e, na mesma linha, devem ser cancelados todos os eventos e atividades extracurriculares, de modo a evitar a aglomeração de pessoas, dentro e fora do ambiente escolar. Cabe às unidades escolares realizar a orientação de estudantes, professores e servidores quanto às medidas preventivas à propagação do coronavírus. E, ainda, deve ser autorizado o afastamento do ambiente escolar de integrantes do corpo discente e docente, que tenham mais de 60 anos ou possuam doenças crônicas.

O GT-Covid-19 foi instituído pela Portaria nº 0653/2020/PGJ com o objetivo de acompanhar e fiscalizar o Plano Estadual e Municipal de combate do COVID-19. Pela recomendação, o Secretário de Estado da Educação e o Presidente do Conselho Estadual de Educação devem apresentar ao Ministério Público, no prazo de cinco dias, relatório circunstanciado das providências adotadas.

Confira o documento na íntegra

(*) Com informações do MP-AM