MPE deflagra operação contra corrupção com desvio de mais de R$ 11 milhões em Nova Olinda

 

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) deflagrou nessa terça-feira (27), a ‘Operação Eldorado’ para cumprimento de 8 (oito) mandados de busca e apreensão domiciliar e pessoal, após investigação de crimes de corrupção ativa e passiva, fraudes em licitação, lavagem de dinheiro e organização criminosa no município de Nova Olinda do Norte envolvendo mais de R$ 11 milhões desviados, entre 2013 a 2016, período em que administrava o município Joseias Lopes.

O Radar apurou que a investigação é resultado de denúncias feitas pela atual gestão daquele município em 2015, quando Adenilson Reis ainda nem era prefeito. No ano passado, já como gestor de Nova Olinda do Norte, novas irregularidades administrativas e financeiras foram repassadas por Adenilson Reis e sua equipe para o Ministério Público.

Em contato com o advogado do município, Lincoln Tavares, o Radar tomou conhecimento que um pente fino foi feito nas contas do município e identificou-se indícios de desvio de recursos dos cofres públicos, como por exemplo, verbas federais direcionadas para a compra de equipamentos de transporte e merenda escolar. Esses recursos eram transferidos das contas de convênios com destinação exclusiva, e até saques na boca do caixa eram feitos pelo ex-prefeito Joseias Lopes.

Em outro caso, a administração de Joseias Lopes recebeu recursos do Governo Federal para a compra de três lanchas escolares médias e três lanchas grandes para transporte de alunos. “Foram compradas somente as lanchas médias, mais da metade desse dinheiro sumiu”, conta o advogado.

Operação do MPE

O cumprimento dos mandados de busca e apreensão da Operação Eldorado tem atuação do Centro de Apoio Operacional de Inteligência, Investigação e de Combate ao Crime Organizado (Caocrimo) e Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), com apoio da Polícia Civil.

A finalidade dos mandado, segundo o MPE, é arrecadar provas e documentos que ajudarão no esclarecimento das investigações que apuram crimes de corrupção ativa e passiva, fraudes em licitação, lavagem de dinheiro e organização criminosa praticados por servidores públicos e empresários donos de empresas de fachada que atuaram naquele município no período já citado.

Ao todo, são investigadas 14 pessoas físicas e 5 pessoas jurídicas. As empresas, apesar de terem sócios distintos, pertenciam ao mesmo empresário e juntas, as empresas investigadas, receberam R$ 11.074.249,46 (onze milhões, setenta e quatro mil duzentos e quarenta e nove reais e quarenta e seis centavos) no período da apuração.

São analisados nesta investigação 21 (vinte e um) processos de licitação e 2 (duas) contratações diretas. Os mandados de busca e apreensão domiciliar e pessoal acontecem em Manaus, nas sedes das empresas e residências dos investigados.