MPE investiga denúncia de fraude em licitações e contratos com tráfico de influência de Murad Aziz

O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou inquérito civil para apurar suposto direcionamento de licitações e contratos feitos pela Comissão Geral de Licitação (CGL), pela Secretária de Estado de Saúde (Susam) e pelo Hospital e Pronto Socorro 28 de Agosto, com as empresas do engenheiro Gilberto de Almeida. (Ver documento no final da matéria)

Segundo o órgão, os contratos foram realizados por influência do empresário e irmão do senador Omar Aziz (PSD), Murad Aziz, preso no mês passado durante a ‘Operação Cashback’, da Polícia Federal. Ele é acusado de fazer parte da quadrilha que desviou pelo menos R$ 500 milhões da saúde do Amazonas, revelada na “Operação Maus Caminhos”.

Durante as investigações das Maus Caminhos, o MPF identificou que a Medimagem (Gilberto de Almeida Aguiar – EPP)  era uma das empresas que se beneficiava com esquema de fraudes, encabeçado pelo empresário e médico Mouhamad Mustafá.

Em maio deste ano, o MPF pediu o bloqueio de R$ 5,7 milhões de sete envolvidos no esquema de corrupção na saúde, entre eles, Gilberto de Almeida e Mouhamad.

A informação da abertura da investigação consta no Diário Oficial do MPE, dessa quinta-feira (8), através da 78ª Promotoria de Justiça Especializada na Proteção do Patrimônio Público, que publicou o aditamento da Portaria nº 052.2013.78, que instaurou o inquérito civil. 

Para abrir a investigação, o promotor de Justiça Ronaldo Andrade disse que considerou “o que consta do Despacho n. 324.2018.78,de 15 de agosto de 2018, em que se identificou a perda de um dos objetos deste IC, no tocante ao suposto direcionamento do Pregão Eletrônico n. 1636/2013, que foi revogado pela Administração”.

Confira o publicação na íntegra: