MPF recomenda que turistas não tenham contato com animais silvestres no Amazonas

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou às empresas de turismo e hotelarias do Amazonas que regularizem, junto aos órgãos ambientais competentes, os cativeiros de animais silvestres que possuam, no prazo de 30 dias, e que não permitam que turistas tenham contato direto com os animais, especialmente mediante pagamento.

De acordo com a recomendação, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) e o Batalhão de Policiamento Ambiental também devem elaborar planejamento de fiscalizações periódicas nos estabelecimentos que exploram animais silvestres, além de apresentar propostas ou projetos de medidas compensatórias que possam promover orientação e educação ambiental para os turistas.

Apuração do MPF identificou que há registros fotográficos de turistas manipulando animais silvestres no Parque Ecológico Janauari, localizado no rio Negro. As agências de turismo se beneficiam da atividade ao oferecer o contato com os animais para os visitantes, colocando-os em risco e causando a retirada dos animais silvestres de seus habitats naturais e maus-tratos. O MPF identificou que grande parte dos turistas condena esta prática, chegando inclusive a formular denúncias ao Ibama.

A utilização de animais silvestres em atividades turísticas pode configurar o crime previsto no artigo 29 da Lei nº 9.605/98. Para o MPF, apesar de algumas fiscalizações já realizadas pelos órgãos ambientais, a questão deve ser tratada por meio de ações multi-institucionais. O turismo na região, segundo o órgão, deve valorizar a fauna, com observação de aves, turismo científico, programas de conservação e áreas de soltura conservacionista, sendo sempre uma atividade respeitosa com os animais.

Acordo com empresas autuadas – O MPF notificou seis empresas de ecoturismo que foram autuadas por órgãos ambientais no Amazonas por explorar animais silvestres sem autorização legal. As empresas L. de Lima Mendes – ME, Amazonventura Turismo e Eventos Ltda., Cooperativa de Passeios Turísticos do Amazonas (Cooptuam), Chinaglia Menezes Agência de Viagem e Turismo Ltda. – ME, Iguana Viagens e Turismo Ltda. – ME e Polimport Comércio e Exportação Ltda. devem comparecer ao MPF nesta segunda-feira (11) para iniciar as discussões para celebração de um termo de ajustamento de conduta (TAC).

Fonte: MPF-AM