Multas do TCE aos gestores do interior do Estado ultrapassaram R$ 220 milhões no 2º trimestre de 2014

TCELevantamento divulgado nesta terça-feira (29) pela Divisão de Redação de Acórdãos (Dirac) do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM) informa que o pleno julgou 317 processos no 2º trimestre (abril-maio-junho) deste ano, sendo que do total 79 foram de prestações de contas e tomadas de contas de prefeitos, secretários e presidentes de câmaras e demais gestores da administração indireta do interior. O restante foi de recursos, representações e embargos.

O total de multas e glosas aplicadas pelos relatores, conforme o levantamento da Dirac, somam R$ 223,5 milhões (R$ 2,6 milhões em multas e R$ 220,8 milhões em glosas). Os dados já estão disponibilizados no link “consultas” do Serviço de informação ao Público (SIP), conforme orientação do presidente do TCE, conselheiro Josué Filho.

Os cinco gestores que receberam as maiores sanções foram Arnaldo Mitouso (R$ 95,2 milhões – Coari); Pedro Garcia (R$ 47,2 milhões – São Gabriel da Cachoeira); Agnaldo da Paz Dantas (R$ 23,3 milhões – Codajás) e Marlon Trindade (R$ 18 milhões – Boa Vista do Ramos).

Conforme o levantamento, dos gestores com contas julgadas, 41 tiveram as contas consideradas regulares ou regulares com ressalva, sendo que deste 30 não receberam nenhuma multa, como é o caso do diretor-presidente da Fundação de Vigilância Sanitária, Bernardino Albuquerque, e do secretário de Estado de Educação, Rossiele Soares.