Na Aleam, deputados aliados do governador esvaziam o plenário e enterram a CPI da Saúde

blank

O que vem acontecendo há cerca de três semanas, aconteceu de novo! Mais uma vez, os deputados estaduais aliados do governador Wilson Lima, parafraseando a música A Dois Passos do Paraíso, da banda Blitz, sumiram, desapareceram, escafederam-se da sessão plenária da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), com a visível intenção de não dar quórum (número mínimo de deputados em plenário), para que houvesse votação, o mesmo que metade do total de deputados (12) mais um, ou seja, 13 parlamentares.

E o objetivo de esvaziar o plenário era um só: não votar o requerimento que prorroga por mais sessenta dias os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde e enterrar a comissão, cujo prazo de duração termina nesta terça-feira (29).

Sem prorrogação dos trabalhos, resta aos deputados que compõem a CPI tão somente entregarem o relatório dos trabalhos sobre corrupção e desvios de recurso na saúde pública do Amazonas até onde puderam investigar e ponto final.

Com o enterro da CPI da Saúde as investigações não vão chegar, por exemplo, em figuras conhecidas da população amazonense que também estão na lista de investigados da Operação Maus Caminhos, que apurou desvios de mais de R$ 100 milhões que deveriam ir para a saúde pública do Amazonas.

O povo não vai saber, por exemplo, porque vão tirar dos cofres públicos, ou seja, do bolso dos amazonenses, mais de R$ 2,3 bilhões até o ano de 2033, para pagar por um prédio público a um consórcio formado pelas empresas SH Engenharia, responsável pela obra física, a Magi Clean Serviços, especializada em gestão de serviços e a Abengoa Holding Brasil, fornecedora de equipamentos. Essa questão não está bem explicada e nem vai ser, já que os governistas enterraram a CPI.

Também não vamos saber, afinal, se é legal e moral o secretário de Estado da Fazenda, Alex Del Giglio, pagar empresa do sócio de sua esposa, Rosemeire Camilo Nunes Del Giglio. No final de 2019, a mulher do secretário de Fazenda se associou a um dos donos de outra empresa da Zona Norte Engenharia, Manutenção e Gestão de Serviços, José Ricardo Biazzo Simon.

A empresa é uma das que mais recebeu pagamentos do governo de Wilson Lima. Só este ano já foram pagos pela secretaria de fazenda de Alex Del Giglio para o sócio de sua esposa R$ 88,2 milhões.

Estas e outras perguntas foram enterradas junto com a CPI da Saúde nesta terça-feira (29).