Na Aleam, pesquisador diz que lockdown severo e vacinação em massa são as únicas saídas para evitar a 3ª onda da Covid-19

Foto: Reprodução aleam

Durante a sessão ordinária da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), realizada nesta terça-feira (9), o biólogo Lucas Ferrante, do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa) afirmou que um lockdown severo e a vacinação em massa da população, de forma conjunta, são as únicas saídas para Amazonas não entrar em uma terceira onda de Covid-19. Lucas Ferrante faz parte de um grupo de oito pesquisadores que alertou, em agosto do ano passado, para a segunda onda de Covid-19 na Amazônia Brasileira, inclusive com a publicação de artigo em revista de renome mundial “Nature Medicine”. O alerta foi ignorado pelas autoridades locais e federais.

“Temos duas soluções (para não ocorrer uma terceira onda de Covid-19). Um lockdown de 20 dias a um mês, com 90% da população cumprindo o toque de recolher, além da vacinação de, pelo menos, 70% dos amazonenses nos próximos três meses”, explicou Ferrante acrescentando que deve ser permitida apenas a circulação de profissionais da saúde durante o período de restrições.

O pesquisador afirmou, ainda, que a nova variante do novo coronavírus, com maior poder de transmissibilidade, começou a se tornar predominante no mês de janeiro desde ano e que, até março, deve alcançar todo o Amazonas, causando a terceira onda, caso não sejam tomadas medidas de contenção eficazes. O pesquisador disse ainda que se algo não for feito imediatamente para conter os níveis de infecção, o coronavírus pode vir a sofrer deferentes mutações e se tornar inclusive resistente a imunização.

“Se não contermos a pandemia, pode-se criar novas variantes resistentes, até mesmo, à vacina. Isso faria com que todo o mundo voltasse os olhos para cá, o Amazonas perderia muito, o que poderia prejudicar inclusive nossa economia”, explicou Lucas.

O deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) que também participou da sessão sugeriu reunião entre os parlamentares junto ao Inpa, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), além das Secretarias de Saúde do estado e do município. Wilker defendeu que o Poder Público tem que se antecipar aos fatos e discutir formas de manter a população em casa. “Precisamos definir um planejamento, pois eu não acredito em lockdown sem ajuda social à nossa população que esta passando por dificuldades. Não podemos pagar para ver, mais uma vez, se nossos pesquisadores estão certos ou não”, disse Wilker após afirmar que o governo do Amazonas não deu ouvidos com os cientistas alertaram sobre a segunda onda.

Repercussão internacional

O biólogo Lucas Ferrante foi fonte do The Intercept Brasil, que publicou, no dia 3 de fevereiro, uma matéria alegando que a Prefeitura de Manaus ignora os avisos de pesquisadores sobre a terceira onda. A matéria foi repercutida pelo Radar Amazônico.