Na contramão do discurso, Bolsonaro e Guedes prometem “mundos e fundos” para o AM

BOLSONARO E GUEDES

Foto: JATAHYNAREDE

Numa visível mudança de discurso ao tratar de questões do Amazonas e da Zona Franca de Manaus (ZFM), o presidente da República Jair Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes, prometeram mundos e fundos para o desenvolvimento da região, durante a primeira do Conselho de Administração da Superintendência da Zona Franca de Manaus (CAS), do ano, nesta quinta-feira (25).

Entre as promessas estão a implementação do livre comércio no Brasil, que segundo Bolsonaro, deve favorecer a região, a preservação da ZFM, o Linhão de Tucuruí e a recuperação da BR-319, promessa que também fez em campanha eleitoral.

“Nós vamos aos poucos respondendo aos anseios de todos, a Zona Franca de Manaus é muito importante, criada por Castelo Branco para integrar e para não entregar, assim como a transamazônica e outras. Essa região aqui tem ainda que receber atenção do Estado. Mas tenho certeza né, ninguém no mundo tem o potencial que vocês têm, de biodiversidade, recursos minerais, água potável, tudo aqui tem tudo para dar certo e nós, abrindo isso para que os brasileiros possam investir aqui, para que outros países possam, em parceria, buscar aqui a biodiversidade, a questão de parcerias aqui também, agregar valor ao que nós temos aqui, pode ter certeza que a região amazônica será um grande sucesso econômico aqui no Brasil”, afirmou o presidente.

“O homem evoluiu, eu evoluo, você e Paulo Guedes evoluem. Ele entendeu a importância dessa região Amazônica”, completou Bolsonaro.

O presidente disse que a recuperação da rodovia será executada no governo dele, apesar de não saber dizer quando as obras devem ser iniciadas. “A BR-319 será asfaltada, apesar do país destruído economicamente e com orçamento minguado”.

Já Paulo Guedes repetiu várias vezes, assim como Bolsonaro, que “a Amazônia é nossa, é do Brasil”. Segundo ele, é preciso imaginar um futuro grandioso para a região. “Temos que preservar o que existe, nós temos recursos e biodiversidade e é preciso imaginar um futuro mais grandioso para que tenhamos bioquímica, biofarma e outros.  Com isso, Manaus seja capital mundial da biodiversidade”, disse.

Vale lembrar que Guedes, agora também presidente do CAS já fez duras críticas aos incentivos fiscais dados pela Zona Franca para que as empresas se instalem na região.

CAS

A primeira reunião ordinária do Conselho aprovou 88 projetos industriais que deverão ser implementados no PIM (Polo Industrial de Manaus) nos próximos três anos. Juntos, os projetos aprovados somam US$ 626 milhões com previsão de gerar 3,6 mil novas vagas no mercado de trabalho.