Na lista dos municípios em Estado de Emergência, “ajuda humanitária” é coincidentemente (?) destinada às cidades onde Melo teve mais votos que Braga

melo - enchente

Num denominado “Balanço Geral da Enchente 2015” elaborado pelo próprio Governo do Estado, os municípios mais atingidos, aqueles em Estado de Emergência estão relacionados exatamente nessa ordem: Itamarati, Guajará, Ipixuna, Eirunepé, Envira, Canutama, Tapauá, Carauari, Pauini, Lábrea, Atalaia do Norte e Benjamin Constant. Nessa segunda-feira (06), o Governo do Estado, por meio da Defesa Civil do Estado, assinou três convênios com os municípios de Envira, Eirunepé e Itamarati no valor global de R$ 700 mil. Segundo o Governo, “os recursos são destinados para ações de socorro às famílias atingidas pela enchente”.

Até aí tudo bem! Mas, de repente causou estranheza ver que a escolha desses três municípios para o repasse da denominada “ajuda humanitária” do Governo do Estado não segue a sequência que está na relação das cidades mais castigadas pela enchente. Entre Itamarati, que é o primeiro nome da lista, e Eirunepé e Envira, que são respectivamente o quarto e o quinto nomes da listagem têm dois municípios que estão na segunda e terceira posição e que a gente poderia dizer que foram deixados pra trás que se refere ao socorro prestado pelo Governo do Estado, são os municípios de Guajará e Ipixuna – nada a contestar sobre a “ajuda humanitária” porque isso seria até desumano da nossa parte, né gente?

Mas o fato é que coincidência ou não – será coincidência, meu povo? -, observando o resultado das eleições para o Governo do Estado observa-se que nas três cidades, o governador teve mais que votos que seu adversário, ganhando a eleição nesses municípios. Em Itamarati, o resultado das urnas foi 1.272 votos para Braga (33,01%) e 2.540 votos para Melo (66,09%); em Envira, Braga teve 2.473 votos (40,04%) e Melo 3.653 (59,14%) e em Eirunepé, Braga recebeu 4.057 votos dos eleitores (36,80%) e Melo 6.873 votos (66,35%).

E igual coincidência (?) existe nos casos de Guajará e Ipixuna, só que em situação inversa. Seus nomes foram “pulados” na lista de municípios em Estado de Emergência, e nos dois casos o adversário do governador José Melo foi vitorioso. Em Guajará, Braga teve mais que o dobro de votos de Melo. Braga teve 3.128 votos (66,52%), enquanto o governador teve 1.524 votos (32,41%) a favor de sua reeleição. Em Ipixuna, a diferença foi pequena mas Braga também venceu com 2.919 votos (52,28%) contra 2.656 votos (47,57%) para o governador.

E espera-se que essa só seja uma infeliz coincidência, né mesmo gente? Afinal não seria nada humano por parte de um governador reeleito com a propaganda de ser “gente do bem” – discurso usado pelo prefeito Artur Neto – e com o marketing repetitivo de que era um ser “bonzinho e humilde”, ficar contabilizando votos ao invés de estar mais preocupado com o sofrimento das pessoas, vocês não acham? (Any Margareth)