Na mensagem de Natal, papa Francisco sugere o “amor à pequenez”

Para pontífice, a "pequenez" representa a humildade e todos os valores que Jesus Cristo deixou

Vaticano/Reprodução

Vaticano/Reprodução

O líder da Igreja Católica, papa Francisco, convocou os fiéis durante a celebração da Missa do Galo, nesta véspera de Natal, a “amar a pequenez”. A cerimonia aconteceu na Basílica de São Pedro em Roma.

“Eis a mensagem: Deus não cavalga a grandeza, mas desce na pequenez. A pequenez é a estrada que escolheu para chegar até nós”, disse o pontífice durante a solenidade religiosa, segundo o Vatican News.

A tradicional celebração contou com a presença de cerca de 2 mil fiéis, que respeitaram as medidas restritivas contra a Covid-19.

“É o desafio de Natal: Deus revela-se, mas os homens não o compreendem. Faz-se pequeno aos olhos do mundo… e nós continuamos a procurar a grandeza segundo o mundo, talvez até em nome Dele. Deus abaixa-se… e nós queremos subir para o pedestal. O Altíssimo indica a humildade… e nós pretendemos sobressair”, disse a autoridade religiosa.

Para o pontífice, a “pequenez” representa a humildade e todos os valores que Jesus Cristo deixou. Na mensagem, o líder ensina que Deus quer vir “às pequenas coisas da vida”.

“Deus vai à procura dos pastores, dos invisíveis… nós buscamos visibilidade. Jesus nasce para servir… e nós passamos os anos atrás do sucesso. Deus não busca força nem poder; pede ternura e pequenez interior”, completou o pontífice.

Mensagem aos países

Papa Francisco também se dirigiu a alguns países, em especial, aos da América. “Prevaleçam os valores da solidariedade, reconciliação e convivência pacífica, através do diálogo, do respeito mútuo e do reconhecimento dos direitos e valores culturais de todos os seres humanos”, disse ele às nações.

Acerca da Covid-19 e outras situações de crise sanitária, o religioso foi enfático nas “soluções mais adequadas para superar a crise sanitária e as suas consequências”:

“Tornai generosos os corações, para fazerem chegar os tratamentos necessários, especialmente as vacinas, às populações mais necessitadas. Recompensai todos aqueles que mostram solicitude e dedicação no cuidado dos familiares, dos doentes e dos mais fragilizados.”