Anúncio

Nas contas de Serafim Corrêa, aumento de arrecadação do Amazonas foi o maior do País

Nas contas do economista e deputado estadual, Serafim Corrêa, a arrecadação do Governo do Estado aumentou R$ 1,579 bilhão no primeiro semestre do ano, em comparação ao mesmo período de 2017. Os dados apresentados por líder do PSB, demonstram que o Amazonas arrecadou R$ 8.947 bilhões no primeiro semestre de 2018, enquanto no mesmo período de 2017, a arrecadação foi de R$ 7.368 bilhões, ou seja, houve um aumento significativo de R$1.579 bilhão, o que implica num aumento de 21,43%. O maior aumento nos 27 estados brasileiros.

Mas esses recursos que, na opinião do parlamentar da bancada de oposição na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) deveriam ser investidos no desenvolvimento do Estado, estão sendo aplicados na propaganda eleitoral antecipada, divulgada nas redes sociais do governador do Estado.

Isso porque o Governo do Estado divulgou no Facebook, através da página do governador Amazonino Mendes, um vídeo sobre a distribuição de mais de 70 mil ítens para trabalhadores rurais no interior, que está prevista para ocorrer na quarta-feira, 04, e que fere o artigo 36 da Lei nº 9.504/97, a Lei Eleitoral, que só permite a propaganda eleitoral a partir do dia 15 de agosto.

“O caixa do Governo do Amazonas aumentou em R$ 1.947 bilhão nos primeiros seis meses do ano. Isso é um valor significativo para o governo poder fazer políticas públicas efetivas para resolver os gargalos, para desatar os nós. Mas vejam o que o Governo do Estado está fazendo, e essa é uma propaganda que está na página pessoal do Facebook de Amazonino”, disse Serafim. O vídeo mostra que há 70 mil itens nas cercanias da Arena da Amazônia e esses 70 mil itens é o avant-première da campanha dele a reeleição. “Vejo, hoje, o Ministério Público nas manchetes dizendo que vai combater as postagens. Todo apoio ao Ministério Público. Tem o fato das postagens e tem o fato concreto, que é a da mais alta gravidade. Se isso não for propaganda eleitoral antecipada, eu não sei o que é. Isso é crime”, denunciou o deputado.

Serafim pediu que os órgãos fiscalizadores eleitorais competentes investiguem o caso e impeçam a distribuição do material.

“O governo aproveitou o excesso de arrecadação para fazer esse tipo de política. Isso é compra de votos. Ou não é? Será que não tem alguém que diga que isso não tem objetivo eleitoral? Trago essa denuncia da mais alta gravidade e peço que os órgãos fiscalizadores competentes apurem o caso. Se essa for a regra do jogo, o que vai acontecer nas eleições? Queremos um pleito limpo, livre e que seja assegurado direitos iguais, paridade das armas. Isso aí desequilibra o jogo. Ainda há tempo. Está prevista a distribuição para os prefeitos amanhã, 04. O Ministério Público Eleitoral pode adotar as medidas cabíveis hoje, 03, para impedir que isso aconteça. O que é o que eu espero”, finalizou.

Com informações da assessoria de comunicação do deputado