Nas delegacias está faltando até papel higiênico; policiais pedem doações à população

cartaz-e-policiais

Clique na imagem para ampliar

É isso mesmo que você leu! O Governo do professor Melo não está fornecendo nem papel higiênico para as delegacias. Segundo os policiais, que não tiveram direito sequer a reposição das perdas salariais e ainda tiveram o ticket alimentação cortado – é aquela verborragia de sempre da tal de crise -, está faltando até papel higiênico nas unidades policiais da capital – imagina no interior, né gente?

Tem outro tipo de papel cuja falta está causando problema pior ou igual ao da falta de papel higiênico: não tem papel A4 para imprimir documentos, como por exemplo, peças de inquérito policial a serem enviadas para a Justiça. Outro exemplo que desmascara a incoerência de um discurso governamental de apoio e proteção às mulheres, é a falta desse mesmo papel na Delegacia Especializa em Crimes contra a Mulher para imprimir notificações que devem ser entregues aos companheiros violentos e perseguidores – eu chamo logo é de covardes mesmo!

Em respeito à população, os policiais estão fazendo cota para comprar papel ou então apelando para os comerciantes das áreas onde estão localizadas as delegacias. “Além de não honrar com os compromissos com aqueles que dão a vida para proteger a todos, o Governo ainda exige que os policiais mantenham a limpeza, a compra de suprimentos de informática e materiais básicos de higiene do próprio bolso dos servidores”, dizem os policiais em nota que está nas redes sociais.

Eles apelam: “Precisamos de sua ajuda e, se você puder ajudar, aceitamos: Papel A4, papel higiênico, saco de lixo, desinfetante, copo descartável, vassouras, pano de chão, rodo, sabonete, grampo de papel. Local de doação: delegacia mais próxima da sua residência”.

E depois de tomar conhecimento dessa situação e lembrar da finalidade do uso do papel higiênico, só me veio à mente uma frase da tragédia de “Hamlet”, de Shakespeare, que caberia bem pra tudo que vem acontecendo no Estado: “Há algo de podre no reino da Dinamarca”. (Any Margareth)