Naufrágio de barco turístico no Japão deixa 10 mortos e 16 desaparecidas


Dez pessoas morreram e 16 estão desaparecidas depois que barco turístico naufragou nas águas geladas e agitadas do norte do Japão no último sábado (23), anunciou a guarda costeira neste domingo (24).

“Confirmamos a morte de dez pessoas após o naufrágio do navio Kazu I”, disse um porta-voz da guarda costeira à AFP, acrescentando que a busca pelos desaparecidos continua. As dez vítimas fatais são sete homens e três mulheres.

Apesar do mau tempo previsto, o Kazu I fez saiu na manhã de sábado com 26 pessoas a bordo para contornar um flanco da Península de Shiretoko, Patrimônio da Humanidade por sua natureza intocada, localizada a nordeste da grande ilha japonesa de Hokkaido, no norte do Japão.

“Era óbvio que o estado do mar ia piorar e eu disse a eles para não sair”, disse o operador de outro barco turístico à rede de televisão NHK. “Apesar de tudo, eles foram embora.”

O navio “Kazu 1” enviou um pedido de socorro às 13h15, horário local no sábado e avisou que estava afundando, com uma parte inclinada a 30 graus.

A Guarda Costeira só chegou ao local depois de três horas e agora está fortemente envolvida na busca ao lado de helicópteros policiais e militares e barcos de pesca locais.

Duas crianças a bordo

A televisão nacional NHK mostrou imagens de um helicóptero e barcos de patrulha examinando a borda da península, bem como salva-vidas em terra examinando um litoral muito acidentado, com ondas altas batendo nas rochas.

O navio transportava 24 passageiros, incluindo duas crianças, bem como dois tripulantes. Todos usavam coletes salva-vidas, mas a temperatura da água durante o dia era de dois a três graus Celsius e, de fato, alguns barcos de pesca retornaram ao porto mais cedo devido ao mau tempo, segundo relatos locais.

“A expectativa era de que as ondas fossem cada vez mais altas. Eu não teria ido para o mar nessas condições”, assegurou no sábado uma pessoa do mesmo setor de turismo local à agência Kyodo.

O Kazu I já havia sofrido um colapso durante uma excursão em junho passado, quando atingiu o fundo do mar perto de seu porto de origem, segundo a mídia japonesa.

O incidente não causou feridos, mas uma investigação foi aberta pela polícia ao capitão do navio por negligência.

A UNESCO declarou a Península de Shiretoko Patrimônio da Humanidade em 2005 por sua vida selvagem distinta, incluindo o ameaçado Leão Marinho Estelar, bem como aves migratórias e ursos pardos.

Os barcos turísticos são populares na área com os visitantes que vêm para ver baleias, pássaros e outros animais selvagens.