No “governo do novo” o sofrimento dos pacientes com câncer está pior do que nos governos passados

Notícias que chegaram ao Radar, nesta terça-feira (20), demonstram que no “governo do novo” é de cortar o coração o sofrimento dos pacientes com câncer na Fundação Centro de Oncologia do Amazonas (Fcecon).

“Nessa segunda-feira (19), meu tio chegou pela manhã no Fcecon e foi ser atendido apenas no final da tarde. É desumano tratar essas pessoas desse jeito. Elas já estão sofrendo com uma doença terrível, têm que enfrentar a quimioterapia que é um tratamento doloroso e ainda são tratadas com esse descaso!”, reclama a sobrinha de um paciente do Fcecon indignada com o atendimento no hospital.

Segundo ela, são horas na fila de espera por um atendimento no hospital, que é referência no diagnóstico e tratamento do câncer em toda a Amazônia Ocidental. Conforme relatos, muitos pacientes chegam cedo para realizar a quimioterapia – um tratamento que utiliza medicamentos para destruir as células doentes que formam um tumor – mas passam o dia no hospital e entram pela noite, muitas vezes. “É triste demais ver nossos irmãos do interior que têm que passar o dia no hospital esperando tratamento mas não têm dinheiro pra comer”, conta.

Os pacientes também reclamam que falta profissionais de saúde na unidade e que apenas duas pessoas, muitas vezes uma atendente e uma enfermeira têm que dar conta de dezenas de doentes que aguardam pra fazer a quimioterapia. Ainda segundo eles, o atendimento médico também é lento.

Procurada pelo Radar, a Fundação informou que realizou somente na última semana 560 consultas na Oncologia Clínica do hospital, uma média de 112 pacientes atendidos por dia e  que possui em seu quadro de servidores oito oncologistas clínicos, sendo que um está em licença médica e outro no período de férias. A Fundação reforçou que os seis médicos que estão atuando no momento realizaram cada um, em média, 93 consultas na última semana e que tem buscado constantes melhorias no atendimento aos pacientes.