No Hospital 28 de Agosto pacientes sofrem com superlotação e com alagamento após forte chuva (ver vídeos)

Foto: Reprodução

O Radar recebeu vídeos que deixam visível que os gestores da saúde pública do Amazonas não conseguem dar jeito sequer na estrutura das unidades de saúde. Como se não bastasse os pacientes terem que enfrentar a superlotação do Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto – uma das principais unidades de saúde que tratam de doentes com Covid-19  em Manaus – ainda têm que ser expostos a água da chuva sobre as macas por causa das goteiras e o hospital alagado após a forte chuva deste domingo (14). (veja vídeos no final da matéria)

Nas imagens é possível ver uma das salas lotada de pacientes, com várias goteiras. O denunciante mostra ainda, que para aparar a água que cai do teto, foi utilizado lixeiras que acondicionam lixo hospitalar.

“Tudo molhado, com goteira! Tá mais molhado aqui dentro, do que lá fora na rua”, diz o denunciante.

Além das infiltrações que causam desconforto nos pacientes em tratamento, outra denúncia relatada no vídeo, é a superlotação. Nas imagens é notória a grande quantidade de pessoas, que tentam se acomodar.

“Super lotação dos leitos aqui! Vão botando as macas de qualquer jeito. Os enfermeiros agora estavam discutindo justamente por causa dessa lotação”, disse o cinegrafista amador.

O Radar entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) para pedir esclarecimento a respeito das infiltrações que explicou por meio de nota, que a força da água da chuva quebrou um dos canos da unidade hospitalar causando a alagação da laje e que a situação já foi resolvida.

Confira a nota na íntegra 

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) lamenta o ocorrido, esclarece que todos os esforços foram empreendidos e a situação resolvida.

De acordo com a direção do Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, a força da água da chuva quebrou um dos canos da unidade hospitalar causando a alagação da laje e, consequentemente, goteiras em uma área de pacientes não Covid-19, na manhã deste domingo (14/02). Os pacientes foram remanejados e o cano consertado.