No Radar, o que dá pra chorar, também dá pra gargalhar. Conheça o “Funk da Secretaria Descontrolada” (ver vídeo)

Vai uma consulta em Tapauá?

E, tempos atrás, o secretário de Saúde do Estado, Wilson Alecrim, disse com todas as letras, que o Amazonas tem a melhor saúde do País. Então, será que ele faria um check-up lá em Tapauá? Vai uma consulta, aí secretário?

Médico “importado”

E uma das “atrações bizarras” do show dos absurdos perpetrados pela secretária de Saúde de Tapauá, Hilma Lins, é o médico peruano Marco Antonio – não conseguimos descobrir nem com reza braba o sobrenome – que a acompanhava onde quer que ela fosse, como se fosse uma sombra, e tentava de todas as maneiras verbalizar defesas à sua chefa-secretária-diretora do hospital, mas ele falava “um quilo” e ninguém conseguia entender “uma grama”. E o povo aqui do Radar, fez questão de questionar: será que os pacientes lá de Tapauá, entendem alguma coisa quando vão se consultar?

Lembrança

E o médico-peruano lá de Tapauá fez a gente lembrar de uma das faixas que mais fez sucesso na manifestação dos médicos contra as ações do Governo Federal na área de saúde, entre elas a contratação de médicos estrangeiros sem a realização do teste de revalidação do diploma profissional. A faixa dizia o seguinte: “para os políticos, o hospital Sírio Libanês – hospital  em São Paulo que é o favorito das celebridades e políticos como Dilma e Lula – e para a população do Brasil médicos que nem  falam português”.  Tem tudo a ver, né gente?

Com esse salário, tá explicado!

E vamos parafrasear o ex-prefeito Amazonino Mendes que, num confronto com uma moradora de área de risco, viveu um caso parecido com esse da secretária de Tapauá,  com uma leve diferença entre as frases “tu tá morto?” (secretária),  e “então morra” (ex-prefeito). Nesse mesmo caso, Amazonino popularizou a frase “Então, tá explicado!” para definir quando uma coisa é óbvia. E, depois de ouvir alguns moradores de Tapauá em contatos telefônicos, contando o principal motivo para o médico-peruano ser ferrenho defensor da secretária, o que mais veio foi essa frase a mente. Contou o pessoal lá de Tapauá que os ganhos mensais do médico estrangeiro e mais o de sua esposa, que é enfermeira do município, chegam a quase R$ 70 mil por mês. Aaah! Tá explicado!