No segundo dia de audiência do “Caso Flávio”, testemunhas escolhidas pela defesa começam a ser ouvidas

Realizada no Fórum de Justiça Ministro Henoch Reis, no bairro de São Francisco, o segundo dia da audiência teve início por volta das 10h e deve se estender por todo o dia

Foto: Raphael Alves

Os trabalhos do segundo dia de audiência que trata do “caso Flávio”  foram iniciados nesta quarta-feira (28), por volta das 10h, no Fórum de Justiça Ministro Henoch Reis, em São Francisco, zona Sul de Manaus. Conduzida pelo juiz da 1.ª Vara do Tribunal do Júri, Celso Souza de Paula, a audiência foi retomada para a oitiva das testemunhas escolhidas pela defesa dos réus. A previsão, conforme o magistrado, é que cerca de 20 testemunhas sejam ouvidas nessa fase da audiência.

A Ação Penal tem como réus José Edvandro Martins de Souza Júnior; Mayc Vinícius Teixeira Parede; Alejandro Molina Valeiko; Paola Molina Valeiko e Elizeu da Paz de Souza. A audiência de instrução foi iniciada nessa terça-feira (27) com a oitiva das testemunhas de acusação, arroladas pelo Ministério Público.

“Hoje vamos dar continuidade à audiência e deveremos ouvir cerca de 20 testemunhas, arroladas pela defesa dos réus, mas, no desenrolar da audiência, os próprios advogados podem desistir de uma ou outra testemunha, se chegarem à conclusão de que essas não vão dar nenhuma contribuição maior para o processo. Por isso, não há como precisar, neste momento, o número exato de quantas pessoas serão ouvidas”, disse o juiz Celso Souza de Paula, em entrevista concedida à imprensa na entrada do Fórum de Justiça Ministro Henoch Reis, pouco antes de iniciar os trabalhos nesta quarta-feira.

Sobre a possibilidade de estender o período de três dias inicialmente previsto para concluir a audiência de instrução, o magistrado explicou que a intenção é cumprir o prazo programado, mas não descartou ampliá-lo, caso necessário.

“Vamos tentar ouvir o maior número de testemunhas possível para que, amanhã (quinta-feira), possamos encerrar com o interrogatório dos acusados. Mas esse prazo pode ser estendido para sexta-feira em razão da quantidade de pessoas a serem ouvidas”, afirmou o juiz.

Primeiro dia

O juiz afirmou que no primeiro dia de audiência, os trabalhos transcorreram dentro da normalidade, ocorrendo apenas um atraso no início, em função de a vítima sobrevivente não ter comparecido ao fórum, por não residir mais em Manaus, o que exigiu a adoção de procedimentos para ouvi-la por videoconferência. Havia a expectativa de que uma última testemunha de acusação, arrolada pelo MP, e que não tinha sido localizada na terça-feira, pudesse ser ouvida no início dos trabalhos desta quarta, no entanto, o órgão ministerial desistiu dessa oitiva e a audiência prosseguiu direto para as testemunhas listadas pela defesa.

Além da vítima sobrevivente Elielton Magno de Menezes, no primeiro dia de audiência foram ouvidas seis testemunhas de acusação, arroladas pelo Ministério Público.

Dos cinco réus, dois continuam presos – Elizeu da Paz de Souza e Mayc Vinícius Teixeira Parede. Os demais respondem o processo em liberdade.

Encerrada a fase da audiência, conforme o rito do Tribunal do Júri, será aberto prazo para que defesa e acusação apresentem suas alegações finais e, após análise pelo Juiz, poderá haver pronúncia (momento em que o juiz decide se haverá o júri ou nã0). Havendo a pronúncia, o réu será julgado por júri popular.

(*) Informações da assessoria