Notícias extraoficiais apontam exoneração do coronel PM Louismar Bonates da SSP

Foto: Divulgação

Informações que chegaram ao Radar de fontes extraoficiais dão conta de que ocorrerá nos próximos dias a exoneração do coronel PM Louismar Bonates, secretário de Segurança Pública do Amazonas, pelo governador do Estado do Amazonas, Wilson Lima (PSC). As especulações sobre o nome do provável substituto do secretário Louismar Bonates giram em torno do general das Forças Armadas, Carlos Alberto Mansur, para assumir o comando da pasta da Segurança Pública.

Vale ressaltar que na semana passada, o vice-governador do Amazonas, Carlos Almeida Filho (PSDB), aproveitou a ida de Wilson Lima à Brasília e tentou substituir Bonates pelo comissário de polícia, Mario Aufiero, mas na ocasião, o documento não chegou a ser publicado pela Imprensa Oficial.

Desgaste no Governo

A saída de Bonates já era especulada nos bastidores por conta dos inúmeros escândalos envolvendo a gestão do secretário e não é de agora não.

Uma investigação da Polícia Federal apontou que em 2015, Bonates negociou a ampliação do poder da facção criminosa FDN (Família do Norte) no sistema carcerário do Amazonas em troca de ‘paz nas cadeias’. A suposta negociação teria sido feita diretamente com o líder da organização, José Roberto Barbosa, vulgo ‘Zé Roberto da Compensa’.

Vale lembrar, que no início do mês de junho deste ano, houve uma série de ataques à instituições públicas e privadas do Amazonas, promovidos pela facção criminosa Comando Vermelho, que justificou o ato em carta divulgada nas redes sociais, alegando que os ataques eram uma forma de retaliação ao secretário, por supostamente usar a Rondas Ostensivas Cândido Mariano (ROCAM) para desviar carregamento de drogas para outra facção criminosa.

Neste mês de julho, policiais do setor de inteligência da Secretaria de Segurança Pública, entre eles um delegado de Policia Civil, foram presos pela PF por roubo de carregamentos de ouro. Segundo as investigações, os policiais estariam usando a estrutura da própria segurança pública do Estado para cometer crimes.

E enquanto policiais da estrutura de segurança comandada por Louismar Bonates estavam supostamente praticando atos criminosos, um garoto de 12 anos foi morto a tiros de fuzil no Cacau Pirêra, distrito de Iranduba, em uma operação policial para combater o tráfico de drogas, mas drogas não foram encontradas.

Até a publicação desta matéria, o governador Wilson Lima não se manifestou oficialmente sobre o assunto.