Numa resposta confusa e cheia de “furos”, Prefeitura de Rio Preto da Eva refuta denúncias de vereador

A Prefeitura de Rio Preto da Eva, através de sua subprocuradora Larissa Farah, enviou ao Radar, no início da tarde dessa sexta-feira (9), uma nota refutando as denúncias feitas pelo vereador do município, Marcelo Costa Santos. O vereador acusa o prefeito Anderson Souza de praticar ilegalidades em obras públicas, como por exemplo a de uma creche, onde o vereador diz ter sido hostilizado e agredido verbalmente, ao tentar fiscalizar, além de denunciar que a secretária de Saúde de Saúde do município, Aila Carla, pagou R$ 30 mil pra a empresa do próprio pai para serviços de buffet e contratou por R$ 40 mil serviços gráficos mesmo já tendo uma outra empresa contratada para o mesmo serviço pela Prefeitura de Anderson Sousa.

A nota enviada pela administração de Rio Preto é confusa, já que embola uma informação com outra, sem a pontuação devida, sem parágrafos, nem ponto e vírgula… (Direito de Resposta publicado na íntegra no final da matéria).

A subprocuradora dá as mais variadas explicações para o chefe de gabinete do prefeito, o assessor de imprensa, assim como ela própria e até o pai da secretária de Saúde, estarem na porta na creche e partirem pra um confronto com o vereador. Só pra dar um exemplo, a subprocuradora Larissa Farah diz que o pai da secretária de Saúde, denunciada pelo vereador por mau uso do dinheiro público, estava na porta da creche porque “mora perto do acontecido e passava pelo local” – pode uma coisa dessas, gente?

Apesar do prefeito ter dito em uma entrevista de rádio que a contratação dos serviços da empresa K.V Monteiro – ME (a que o vereador diz que foi pra serviços de buffet) foi feita pelo ex-secretário de saúde e não pela atual gestora da pasta, a subprocuradora não mandou o contrato assinado pelo ex-secretário nem qualquer outro documento que prove o que o prefeito alega, como foi requisitado pelo Radar.

Larissa Farah contesta que a empresa seja do pai da secretária de Saúde e nem que funcione no mesmo local da residência dele, e enviou como comprovação disso uma conta de energia que não está no nome do Sr. Antônio, ou seja, não serve como prova. No site da Receita Federal, o endereço da empresa é no mesmo local onde várias fontes do Radar dizem funcionar o restaurante do pai da secretária de Saúde.

Para que os leitores do Radar tirem suas próprias conclusões está ai, a resposta da Prefeitura de Rio Preto da Eva, através da subprocuradora do município

“Boa tarde, como me identifiquei no telefone me chamo Larissa Farah sou advogada e atualmente Subprocuradora do Município de Rio Preto da Eva e venho aqui esclarecer as Denúncias infundadas feita pelo vereador que é oposição a este Governo Marcelo Costa Santos.

Em primeiro lugar o vereador em nenhum momento foi impedido de fazer fiscalização na Creche Maria José da Silva Batista, o que ocorreu foi que o mesmo chegou no local e logo foi recebido pela gestora a senhora Márcia de Souza Jacqmont que estava em uma reunião com as professoras da creche, onde ele perguntou se a Professora Goreti se encontrava, a gestora respondeu que não e ele disse que o carro dela estava estacionado no local, ao olhar o carro a gestora o informou que o mesmo pertencia a outra professora momento em que o vereador pediu pra falar com o mestre de obras e então a gestora foi chamá-lo, logo após a chegada do mestre de obras o vereador começou a indagá-lo sobre o valor das obras tendo o mestre de obras dizendo que não tinha conhecimento sobre valores que apenas fiscalizava a obra, nesta hora a gestora disse que iria ligar para a Secretária de Educação para que esta fosse a escola para que desse as informações que o vereador estava precisando, neste momento o vereador ficou aborrecido e começou a gritar com a gestora dizendo que ela estava o impedindo de fazer seu trabalho sendo que esta apenas ia pedir que a Secretária fosse ao local pois ela que tinha as informações necessárias sobre a obra, o vereador então pegou o seu celular para filmar a gestora e esta disse que não autorizava a filmagem aí nesta hora o vereador apertou o braço da gestora com força e a empurrou na parede, logo após isso uma das professoras ligou para a Coordenadora da Secretaria de Educação e esta se encontrava no Gabinete do Prefeito, por essa razão ao tomarem ciência do acontecido o chefe de gabinete junto com o assessor de imprensa saíram correndo para o local para evitar que alguma coisa acontecesse já que só haviam mulheres na escola, quanto a mim fiquei no Gabinete liguei para o Comandante da Polícia para que este mandasse uma viatura para o local e após isso que saí, quando cheguei no local o vereador já se encontrava dentro de seu carro discutindo com o chefe de gabinete, momento esse que me meti na discussão e pedi que fôssemos a Delegacia fazer um BO.

Eu somente estive no local no final do acontecido pois se estivesse desde o começo com toda certeza acompanharia a fiscalização do vereador pois temos ciência dos seus direitos e ele nunca foi impedido de exercer o seu trabalho de vereador, mas vale registrar que em nenhum momento ele chegou na creche se identificou e avisou que estava lá para fiscalizar a obra.

Quanto ao pai da Secretária este mora perto do acontecido e passava pelo local, pois é um dos caminhos que ele faz para ir para sua residencia pois moramos em cidade pequena.

Quanto aos supostos atos praticados pela secretária de saúde Aila Carla, todos eles são falsos e infundados e não passam de Denúncias mentirosas feitas pelo vereador que quer se promover a todo custo.

As duas empresas citadas na denúncia do tal vereador estão todas licitadas, conforme cópia da publicação em anexo no Diário Oficial dos municípios, o vereador alega o que a empresa K.V. Monteiro pertence ao pai da Secretária pelo simples fato do endereço da empresa ser perto do local em que o pai desta tinha um restaurante, agora o que é realmente relevante observar que a publicação se deu no dia 22 de junho de 2017 ou seja antes da Secretária assumir a pasta e pelos documentos juntados pelo vereador não a comprovação alguma de que essa empresa pertence ao pai da Secretária, que de fato não pertence. estamos juntando também cópia do contrato onde mostra o endereço da referida empresa, e cópia do comprovante de residencia onde se situava o restaurante do pai da Secretária que alugou o estabelecimento por curto período e apesar de serem perto os endereços são distintos tendo em vista que o estabelecimento que foi alugado fica na rua que corta a principal que é a Governador Alvaro Maia onde situa-se a empresa, ou seja até ai vemos inconsistência na Denúncia uma vez que não há compatibilidade de endereço.

Após todas as alegações falsas e mentirosas deste fizemos um B.O. tanto da Secretária como da gestora e o estamos processando por tais atos abusivos que este tem tomado e por está difamando tanto esta prefeitura.

Então sim os atos da Secretária foram legais, tendo em vista que nenhuma empresa pertence a algum parente seu e todas estão devidamente licitadas não tendo óbice a ser feito os pagamentos em questões.

As empresas K.V. Monteiro e Safira estão entrando contra o vereador judicialmente contra o vereador a fim de que este prove com mais clareza todas as suas acusações. grata pela atenção Dra. Larissa Farah Subprocuradora de Rio Preto da Eva”.