Número de ocorrências tendo mulheres vítimas diminui 13,2% em Manaus

No Dia Internacional da Não-Violência contra a Mulher, nesse domingo (25), o número de registros de ocorrências tendo mulheres vítimas apresentou uma redução de 13,2% em Manaus se comparados os dados de 2017 e 2018. Os dados são da Secretaria Executiva Adjunta de Inteligência (Seai) da Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-AM). Os números não englobam os casos de feminicídio.

Para a titular da Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher (DECCM), delegada Débora Mafra, o número de registros é resultado do maior volume de denúncias das próprias vítimas, o que acaba inibindo a prática de novos atos de violência. “A mulher amazonense está denunciando cada vez mais e não aceitando ser objeto de violência”, disse a delegada.

De janeiro a outubro deste ano, foram registradas 90.826 ocorrências com vítimas do sexo feminino em Manaus. Os maiores registros foram de violência doméstica (17,9%), seguido de roubos (17,8%), ameaças (12,2%) e furtos (11,9%). Foram registradas, ainda, outras ocorrências não especificadas envolvendo mulheres que totalizaram 29,5 mil casos.

No mesmo período de 2017 foram registradas 104.364 ocorrências tendo mulheres como vítimas em Manaus. Entre elas, o maior volume de registros foi de roubo (20,4 mil), seguido por violência doméstica (17,7 mil casos), furto (11,4 mil casos) e ameaça (11,3 mil).  Outras ocorrências não especificadas, mas que tiveram mulheres como vítimas chegaram a 32,5 mil casos registrados.

De acordo a delegada Débora Mafra, as denúncias dos casos de violência doméstica são fundamentais para coibir a criminalidade. “As mulheres vítimas de violência doméstica não podem se calar, sempre devem denunciar o que sofrem”, ressaltou.

Ela informou que a DECCM tem parceria com a Defensoria Pública do Estado (DPE-AM), o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) e demais órgãos municipais e estaduais para coibir atos de violência contra a mulher e dar o suporte necessário às vítimas. “As mulheres devem reescrever sua história, sendo a protagonista e não ser coadjuvante da história de um relacionamento de violência”, disse a delegada Débora Mafra ao ressaltar a importância da denúncia de casos de violência contra a mulher.

Com informações da SSP-AM.