O Bososhow foi mais vaiado que os argentinos (ver vídeo)

Se eu fosse os jogadores argentinos eu teria me sentido lisonjeado, afinal no jogo dessa terça-feira (02), semifinal da Copa América de Futebol, no estádio do Mineirão, eles foram tão ou até menos vaiados que o presidente da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro – isso não dá na Globo e se der eles abafam as vaias!

E vaiar os jogadores do time adversário é coisa rotineira e mais do que normal num jogo de futebol, né mesmo meu povo? É só lembrar que tascam vaia nos jogadores brasileiros quando jogamos fora do Brasil e até por aqui mesmo, de vez em quando. Mas, o mesmo não se pode dizer do que acontecia com Messias Bolsonaro, um “mito” que via suas fanfarronices e lambanças serem aplaudidas como se fossem um show de auditório

Acostumado a ver grande parte do povo brasileiro rindo e aplaudindo seus Bososhows desde a época da campanha à presidência da República quando esculachava com negros, índios, mulheres, gordos ou qualquer outro ser humano – o que a atriz Regina Duarte e um séquito de abilolados chamam de “piadas” -, desta vez, mais um de seus espetáculos bisonhos não deu certo.

O sem noção decidiu fazer as vezes de atleta campeão que realizou um grande feito e dar uma volta olímpica no gramado do Mineirão, rodeado pelos seus trocentos seguranças, apaniguados, xerimbabos e coisas do gênero – sempre esqueço que não se pode escrever “gênero” porque provoca uns ataques apopléticos nos adoradores do Bososhow.

Já tinha levado vaia até na hora do Hino Nacional e levou outra saraivada de vaias ainda pior em sua volta olímpica, que virou meia volta olímpica, já que Bolsonaro e sua trupe decidiram foi logo pegar o beco. Entraram em um dos túneis e escafederam-se.

Pelo visto os Bososhows não são mais sucesso de público e crítica. Melhor Jair vendo!