O cidadão do Amazonas Messias Bolsonaro apronta mais uma!

O mais novo cidadão do Amazonas, o presidente Jair Messias Bolsonaro aprontou mais uma com a população do Estado da qual, em tese, ele faz parte, já que foi concedida a ele a cidadania amazonense pelo Poder Legislativo do Estado.

Desta vez, os conterrâneos de Bolsonaro, ou seja, o povo amazonense, vai deixar de receber cerca de R$ 160 milhões em emendas parlamentares destinadas principalmente para a população do interior do Estado, já que o presidente Messias Bolsonaro decidiu retaliar os senadores amazonenses que fazem parte da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 do Senado Federal.

Messias Bolsonaro, como em outras situações, trata o dinheiro público como se fosse seu dinheiro e como se pudesse dispor dele como bem entendesse, pagando ou não quem bem quisesse.

Bom lembrar que as emendas são fruto da Lei do Orçamento Impositivo que, como diz o nome, impõe ao chefe do Executivo a obrigatoriedade de executar essas emendas repassando os recursos a elas destinados.

A vendeta por parte de Messias Bolsonaro tem a ver com a atuação dos senadores do Amazonas na CPI da Covid-19, instalada no Senado Federal para apurar as ações desastrosas e omissões criminosas do governo federal que levaram a morte milhares de cidadãos brasileiros.

Mas esse é apenas um ato de uma tragicomédia protagonizada pelo presidente-mito e sua trupe amestrada, que não satisfeita de aplaudir Bolsonaro, mesmo com os ataques à Zona Franca de Manaus (ZFM), o transformou em um de nós fazendo com que tivéssemos um franco atirador dentro de nossas próprias fileiras de combate.

A cada dia, Messias Bolsonaro lança uma saraivada de balas pra cima do povo do Amazonas. Um dia é ameaça de acabar com a Zona Franca de Manaus (ZFM) e agora corta os recursos das emendas impositivas sem pensar que não está penalizando os senadores amazonenses aos quais considera seus desafetos políticos, mas sim a população do Estado.

E enquanto isso acontece, seus aliados políticos no Amazonas, os patriotas, democratas e cristãos, os cidadãos de bem, com suas patentes militares e seus cargos policiais, ficam na segurança de seus “bunkers”, onde são inatingíveis, enquanto nós cidadãos comuns temos que sobreviver a uma guerra diária de perseguição e injustiça.