O culto político de Silas e Messias Bolsonaro na Casa do Senhor

O denominado “Culto de gratidão a Deus pela vida do senhor presidente” preparado pela tríade dos irmãos Câmara, Jonatas, Samuel e Silas Câmara, este último em seu quinto mandato de deputado federal pelo Amazonas, esteve muito mais para palanque político do que para púlpito de louvor a Deus. Messias Bolsonaro usou o púlpito pra louvar a si mesmo e a quem concorda com seus projetos e ideias por mais estapafúrdias que sejam, falar de sua trajetória política, engrandecer seus feitos na presidência da República e, de vem em quando, lembrava que Deus existia.

Bem ao seu estilo de, mesmo sem dizer nomes, esculachar Deus e todo mundo – só em usar o santo nome de Deus em vão já está errado -, o presidente Messias Bolsonaro, começou a destilar sua raiva costumeira pelas chamadas minorias: negros, índios, imigrantes, homossexuais, idosos e mulheres, por exemplo – jamais vou conseguir entender como chamam mulheres de minoria, já que somos a maioria da população brasileira.

“Se nós somos a maioria porque cedermos a minoria”, questionou Bolsonaro, mostrando mais uma vez o seu desprezo pelos direitos desses cidadãos brasileiros, igualzinho fez durante a campanha à presidência da República. De certa forma, Bolsonaro atacou até mesmo a Carta Magna do País, a Constituição, que garante os direitos desses cidadãos. “Eu entendo que a Lei deve ser feita para atender a maioria e não as minorias”, arrematou o presidente Messias.

Messias Bolsonaro usou o púlpito também para atacar jornalistas e políticos – como se não fosse um deles. Apesar de empresas de monitoramento de mídias sociais, como a Whatsapp Monitor, e de até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ter determinado investigação sobre o compartilhamento em massa de fake news por WhatsApp na campanha de Messias Bolsonaro, ele disse que a imprensa é que usa de fake news contra ele desde a campanha. “Tudo contra mim. Grande parte da mídia me fuzilando com mentiras com calúnias ou como fake news como está na moda”, reclamou Bolsonaro.

Não escapou do discurso raivoso de Bolsonaro nem mesmo seus adversários durante a campanha que também foram acusados de mentir para a população. ““E no meio político meus prezados deputados federais, a verdade sempre está longe de nós. Certa vez durante a campanha um jornalista conhecido falou, “se você não mentir, você não vai chegar la! E tem que mentir pro povo, dizer que vai fazer maravilhas, que vai triplicar o salário mínimo, vai tirar todo mundo do SPC (referindo-se a algo parecido com a proposta de Ciro Gomes), vai baixar os impostos…”.

Na plateia aplaudindo, não dava pra saber se tinham mais pastores ou políticos com mandatos eletivos, ou as duas coisas, já que há quem ocupe as duas funções. E gostaria de saber se Deus gostou do denominado “culto de gratidão a Deus pela vida do senhor presidente”. Será?