O embromation de Wilson para falar do custo alto de um preso

Com as suas já conhecidas meias palavras, próprias de quem faz o conhecido embromation – no caboclês de euzinha o chamado engana besta – quando não quer ou não sabe responder uma pergunta, o governador Wilson Lima classificou como “dentro da média” o gasto mensal com um preso no Amazonas (R$ 4.129,00) que custa quase o dobro da média nacional (R$ 2.400,00) – que cálculo de “média” é esse governador?

Só pra se ter uma ideia do quanto se gasta com um preso no Amazonas, somente nos cinco primeiro meses do ano a empresa Umanizzare já recebeu mais de R$ 70 milhões dos cofres públicos. A Umanizzare é a empresa responsável pela administração dos presídios, onde 55 presos foram mortos em dois dias de matança – número divulgado pelo governo. Entre esses presídios administrados pela Umanizzare está o Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) onde, em 2017, 56 presos também foram mortos em uma chacina.

Mas apesar da cifra milionária de mais de R$ 70 milhões em cinco meses e de estar previsto no contrato que uma das principiais funções da empresa é a ressocialização de presos, a Umanizzare ainda não mostrou um trabalho que aponte para a possibilidade de inserir esses indivíduos novamente em uma convivência social. Isso fica visível em presídios onde homens não agem como seres humanos, mas como predadores de outros da sua espécie.