O estelionato eleitoral de Melo pra manter aliados e o discurso do “fim do mundo” sobre os adversários

Quando Melo, ainda vice-governador, andou lá pelas bandas de Coari, junto com o então governador Omar, que foi implantar o Ronda o Bairro – naquele mesmo dia do “ele vai voltar” dos deputados federais Sabino e Átila sobre Adail, lembram né? – fez questão de estar rodeado de lideranças (se é que a gente pode chamar assim) de tudo que é grupo político local, do vice de Raimundo Magalhães, segundo colocado nas eleições de 2012, o também empresário Clemente Fernandes, ao ex-prefeito Arnaldo Mitouso, além do vice de Adail e prefeito em exercício, Igson Monteiro , e mais o escambau de gente de tudo que é lado, e até os que vão de um lado pra outro – dependendo de quem está no poder, não é mesmo? – pregando a união de todos os grupos políticos do município diz que “pelo bem de Coari”. E, na busca desse tal de “bem” que tá longe de ser de Coari, saiu praticando estelionato, fraude eleitoral, pra tudo que é lado com dinheiro público agora que é governador, como por exemplo, dar ao ex-prefeito Arnaldo Mitouso, de olho nos seus mais de 10 mil votos, a administração do Terminal Hidroviário de Coari, aquele que estava incluído com mais dez portos do Amazonas num gasto federal de R$ 64,5 milhões e que assim como outros desabou, e que já na atual administração de Adail Pinheiro foi reinaugurado às custas de mais R$ 6 milhões do Governo do Estado, melhor dizendo do dinheiro do nosso bolso.

E Magalhães?

Segundo as fontes do Radar em Coari, Melo acenou para o empresário do ramo de postos de gasolina, Raimundo Magalhães, que também ultrapassou 10 mil votos, com a contratação de empresa para –  conforme promessa de Omar em discurso feito em Coari – “recapeamento de 84 quilômetros de vias no município num investimento de R$ 22 milhões do Governo do Estado” (nosso dinheiro de novo no estelionato eleitoral). Mas, Magalhães tem empresa nesse ramo, é? Ou vai indicar empresa de aliado político? Vai participar do estelionato? Nosso Radar está antenado.

E Adail?

Além de estar rangendo os dentes de raiva em sua cela de “hotel de pelo menos 3 estrelas” no quartel,  por ver seus adversários se dando bem com Melo, também não ficou nada satisfeito ao saber que o governador-professor disse que, ou seu grupo fica bem quietinho, ou tá tudo dominado, ou faz intervenção em Coari e aí, tanto ele (Adail), quanto seu pessoal, não têm mais de onde tirar um centavo.  E ainda libera os vereadores da Câmara de Coari pra votarem sua cassação.  Ôooo, negoção pra Adail, né mesmo?

Fim do mundo

Mas, tem cidade do interior do Estado que Melo parece achar que basta uma visão daquelas de amedrontar pra conquistar aliados. Imagina que no Careiro da Várzea ele achou que colava um discurso de fim de mundo contra seus adversários: cuidado com os falsos profetas que pregam o que não sabem! Cuidado! Porque na nossa vida, nós traçamos os nossos caminhos. Se acertamos temos anos de bonança. Se erramos temos anos de sofrimento, de dor e abandono”. Assim como disse no discurso, será que acertou na escolha dessa pregação?