O “lambançômetro” (medidor de lambança) do Radar explodiu, desta vez, com informações divulgadas pela ALE – e a imprensa acreditou!

lambançometroEu quase não acreditei quando vi (e li). Nos releases da Assembleia Legislativa do Estado (ALE) enviado à imprensa e publicados no site da Casa, os deputados da bancada governista comemoram “as mais diversas conquistas” obtidas pelos professores durante a votação na ALE da Mensagem do Executivo – ler governador professor José Melo. Quais foram as conquistas mesmo, hein? Diz que foi o pagamento da Hora de Trabalho Pedagógico (HTP) e o auxílio-alimentação, mas esqueceram de explicar que só colocaram isso no papel, mas as medidas só serão implementadas por decreto do Governador, ou seja, Melo faz isso se quiser e quando quiser – e se a Lei eleitoral permitir. O próprio presidente da Comissão de Educação da ALE, deputado Sidney Leite, mesmo fazendo o maior estardalhaço sobre “os ganhos” conquistados pelos professores, confirma isso em release de sua própria assessoria onde está escrito: “Se o governador encontrar uma solução, passa a vigorar agora”. E arremata dizendo que “o importante é que estamos conseguindo em Lei essa garantia que é uma luta antiga e representa um grande avanço para a categoria”. Garantia de quê mesmo? Avanço pra onde? Se ele próprio lembrou em plenário que a HTP é uma Lei Federal, mas nunca foi cumprida pelo Governo. Lei que não é cumprida, que fica no papel, é letra morte, Tão somente!

Emenda modificativa

E o deputado Tony Medeiros falou da tribuna, quase chegando as lágrimas, da importante missão que seus colegas de parlamento lhe deram, de fazer a emenda ao projeto do Governo para garantir o auxílio-alimentação de forma imediata. O professor Melo previa em seu projeto esse benefício só para janeiro de 2015 – como se desse pro ser humano esperar pra ter direito a comer.  “E pela primeira vez soube da elaboração de uma emenda modificativa a um projeto do Governo”, lembrou o parlamentar emocionado, como se texto vindo do Executivo fosse alguma “pérola” de correção e justiça social que não fosse feito para ser modificado, quando deveria dizer é que trata-se de uma vergonha existir essa figura da emenda modificativa no Regimento da Casa e os deputados nunca a utilizarem porque não querem insatisfazer o Governo. Mas, ao falar da emenda disse que deixou o tempo de implantação do auxílio alimentação a critério do governador, o que significa dizer que Melo poderá conceder o benefício agora, ou em janeiro de 2015. Então, modificou mesmo o quê, hein?

Pacote-professor

E ainda teve jornalista escrevendo que o Legislativo estadual aprovou um denominado “pacote-professor”. Qual foi o pacote mesmo, hein? Que se saiba a única medida imediata foi uma reposição salarial – o que não significa ganho real de salário nobres colegas – de 5,6%. Então, aprovação de um só benefício, não pode ser chamado de pacote, não é mesmo?