O legado de Weintraub!

De todas as definições que se possa fazer sobre o agora ex-ministro da Educação do Governo Bolsonaro, Abraham Weintraub, uma se destaca acima de qualquer outra: esse é o ministro da Educação mais sem educação da história do Brasil. E estou falando de educação em todos os sentidos da palavra.

Se falarmos de educação formal, aquela dos bancos de escola, Weintraub assassinava o português e matava os brasileiros de vergonha – quem tem vergonha, logicamente! – com erros crassos que até estudantes de nível fundamental não cometeriam. Por causa de seus erros grosseiros de português,Weintraub virou piada nas redes sociais, com todo mundo dizendo que ele seria reprovado no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Ele passou a ser chamado pelos internautas de “ministro da Educassão”.

Mas como se não bastasse a falta de conhecimento que se adquire no banco de escola, o ministro sofre ainda de falta de educação doméstica – minha mãe jamais deixava de castigar um filho que mentia. Weintraub não acha nada demais em publicar mentiras nas redes sociais, tanto que é um dos investigados no inquérito das Fake News que está no Supremo Tribunal Federal (STF).

A falta de educação do então ministro da Educação chegou ao cúmulo ao fazer uma campanha de desmoralização pública das universidades do país, com ofensas gravíssimas a comunidade acadêmica, sem em nenhum momento lembrar das importantes contribuições dessas instituições de ensino superior para os avanços da ciência no Brasil, em todos os níveis, e sem sequer mostrar uma prova das acusações que fez.

Weintraub distribuía grosserias, causou problemas diplomáticos internacionais ao atacar o povo chinês de forma visivelmente racista, xingou ministros do STF de vagabundos, a exemplo do seu líder político Messias Bolsonaro, deu mal exemplo ao não usar máscara e nem respeitar isolamento social em plena pandemia. Weintraub tinha tempo pra criar todo tipo de confusão, menos pra cuidar da educação.

Deixa como legado o corte de recursos da educação pública e o Enem com milhares de erros na correção das provas, prejudicando os estudantes do país e destruindo sonhos desses jovens.

Weintraub, visivelmente, usou a educação pública na tentativa de contaminar o país com a ideologia da extrema direita, onde todo ser pensante e crítico é uma ameaça. A universidade não formaria mais cidadãos consciente de seus deveres e direitos, mas sim seguidores cegos de preconceitos e ódio por tudo e todos.

Enquanto foi profícuo em criar problema, Weintraub não emplacou um projeto sequer para conquistar avanços na educação pública brasileira. É só lembrar que seu programa “Conta pra Mim”, para estimular a leitura em família e o combate ao analfabetismo, não passou de um boneco de nome Tito, com quem Weintraub posou pras fotos e que andou fazendo aparições em shoppings centers, lugar não muito próprio pra combater o analfabetismo que ainda assola as comunidades mais pobres do Brasil.

Por todos estes motivos, só há uma mensagem a ser dita para o pior e mais mal educado ministro da Educação do Brasil: já vai tarde Weintraub!