‘O povo não quer inauguração de obra, quer vacina’, diz Serafim sobre vinda de Bolsonaro a Manaus

Foto: Danilo Mello

O deputado Estadual Serafim Corrêa (PSB) criticou a vinda do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) à Manaus nesta sexta-feira (23), com o intuito de inaugurar uma obra financiada pelos governos de Dilma Rouseff e Michel Temer, quando na verdade o que o Amazonas mais precisa no momento é uma imunização mais rápida contra a covid-19. A obra que será inaugurada faz parte da 2ª etapa do Centro de Convenções Vasco Vasques, na zona Centro-Oeste de Manaus.

“Essa é uma obra que antecipa a Copa do Mundo. Ela começa, portanto, lá no Governo Dilma, passou pelo Governo Michel Temer, e os recursos obviamente da obra como um todo, inclusive desse puxadinho que ele vem inaugurar, são obras com recursos transferidos ao Governo do Amazonas”, disse Serafim.

O líder do PSB na ALE-AM, único a votar contrário ao Projeto de Lei que concede o título de Cidadão do Amazonas a Bolsonaro, afirmou que o político vem a Manaus em um momento em que a população não quer inauguração de obra, e sim vacina, emprego e desenvolvimento.

“O presidente quer exatamente o inverso, em vez de distribuir a vida, ele quer distribuir a morte. Quando ele chegar aqui na sexta-feira nós estaremos bem próximos de 400 mil mortes no Brasil e mais de 13 mil no Amazonas. Não há nada o que comemorar com essa vinda dele. Ele negou a pandemia, ele negou a eficácia da vacina, não comprou a vacina na hora certa. Claudicou [não teve firmeza] na questão do oxigênio, insistiu com o povo para que tomassem cloroquina”, declarou.

Serafim Corrêa disse ainda que Bolsonaro seria muito bem recebido em Manaus se trouxesse 1 milhão de doses de vacina contra a Covid-19. “Isso aí sim seria o papel de um presidente e não vir inaugurar obras dos outros, não dele”.

(*) Com informações da assessoria