O prefeito e seu baixo salário

No ranking feito por um dos mais acessados sites de notícias do País aponta o salário dos prefeitos de 26 capitais brasileiras. O prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB) ocupa o 17º lugar, com um salário de R$ 18 mil (dezoito mil reais). O “campeão” do ranking de salários é o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), com um salário de R$ 26.723,13 (vinte e seis mil e setecentos e vinte e três reais e treze centavos)

Tão “pobrezinho”

E o mais baixo salário recebido por um prefeito na lista das 26 capitais do País, não se encontra nos Estados do Norte e nem do Nordeste. Por incrível que possa parecer, o mais “pobre” dos prefeitos é o da cidade do Rio de Janeiro, o peemedebista Eduardo Paes, que ganha apenas R$ 13. 964,94 (treze mil e novecentos e sessenta e quatro reais e noventa e quatro centavos).

Procurando buracos

O vereador Marcelo Serafim (PSB) utilizou uma expressão no mínimo curiosa durante discurso em defesa do Projeto de Lei do Executivo que pede autorização da CMM para renegociar as dívidas de administrações passadas. “É bom sabermos onde estão os buracos e as dificuldades financeiras que o prefeito Artur Neto enfrenta”, argumentou o parlamentar. As dificuldades financeiras pode até ser necessário procurar, mas os buracos estão por toda o lugar, tá facinho, facinho, de encontrar. Se o vereador quiser, o Radar mostra o “mapa da buraqueira”.

Quem tem padrinho…

Já dizia um político local, famoso por suas frases de efeito: Quem tem padrinho, não morre pagão! Esse pensamento foi geral, aqui do pessoal do Radar, quando ficamos sabendo que o mestre de jiu-jitsu Ulisses Paixão, foi nomeado na Câmara Municipal de Manaus, como coordenador da verba de gabinete e ainda foi nomeado na Prefeitura de Manaus como membro da Comissão de Desportos. Pelo jeito aqui no Radar todo mundo é pagão.