O que certos homenzinhos têm em comum?

É assustador ver as semelhanças entre dois desses a quem chamo de “homenzinhos”: o capitão Bolsonaro e o cabo Adolf Hitler! Adolh Hitler foi um militar medíocre, um cabo mensageiro encarregado de recados oficiais, algo como um ajudante de ordens, transformado em combatente heroico da 1ª Guerra Mundial pela máquina de propaganda nazista.

Não muito diferente é descrito o capitão Bolsonaro por diversos veículos de comunicação, como por exemplo, o jornal Folha de São Paulo, que publicou diversos documentos, onde Bolsonaro teria sido definido por seus colegas de farda como alguém com “excessiva ambição financeira e econômica”. Já a revista Veja, o aponta como o orquestrador, em 1987, da operação “Beco Sem Saída“ que consistia em colocar bombas de baixa potência em academias militares e quartéis para protestar contra os baixos salários. Bolsonaro nega e o Tribunal Militar o absolveu em 1988 de todas as acusações, mas apesar disso, ele teve que deixar o Exército.

Hitler era considerado alguém bizarro com seus discursos sem sentido contra negros, feministas, políticos de esquerda, pacifistas…contra tudo, contra todos, disseminando ódio e violência. E o que dizer de Bolsonaro que humilha pessoas, faz piada de tudo, com discursos que não dizem nada com coisa nenhuma, sem nexo, cheios de uma raiva desmedida e desnecessária.

Bolsonaro surgiu num Brasil afundado na descrença política, com operações contra a corrupção, com o País passando por dificuldades econômicas e a grande imprensa comprometida com as elites que sempre acham ganhar pouco dinheiro e fazer “muito sacrifício” pra sustentar pobre. Nesse ambiente, todos falavam da procura por um tal de “anti-político” que promoveria mudanças sem ligar pra partidos. E na desesperança foi que apareceu Bolsonaro!

Em um cenário semelhante surgiu Hitler, com a Alemanha afundada numa crise econômica pós-primeira guerra mundial, em que a Alemanha teve que pagar um preço alto por isso. O Tratado de Paz de Versalhes, assinado em 1919 pelos países vencedores da guerra, impunha severas restrições a Alemanha derrotada na batalha. E assim o bufão radical de direita foi visto como salvação da pátria! Uma cara nova na Alemanha pós-guerra, um militar que resgataria o orgulho dos alemães, que libertaria a Alemanha do julgo dos vencedores da guerra mesmo que pra isso se alimentasse de ódio e usasse a violência.

E para serem vistos como salvadores da pátria, tanto Bolsonaro como Hitler souberam usar a mídia para seus propósitos. Hitler tirava fotos pra ver quais gestos fariam mais efeito diante da população pobre e em seu livro “Minha Luta” (Mein Kampf) definiu que a propaganda “deve ser apresentada da forma popular (…) não estar acima da cabeça dos menos intelectuais”, o que fez com que sua loucura levasse o povo ao delírio. Bolsonaro, com a força das atuais redes socais, também fazia gestos que têm apelo popular – não deveriam, mas pra minha tristeza têm! – como usar os dedos das mãos pra fingir que está metralhando alguém, de preferência aqueles a quem ele chama de “petralhas”.

Hitler usou notícias falsas para aterrorizar o povo alemão e colocá-lo numa situação de dependência dos militares. Bolsonaro fez o mesmo com as denominadas fake News disseminando mentiras e tocando o terror de todas as formas, desde um “golpe comunista” até a troca de sexo das crianças por uma tal de “ditadura gay” que só existe nos seus desvarios.

Assim como no caso de Hitler que dizia absurdos em seus discursos como matar “gays e judeus” e falava sandices que faziam até mesmo seus opositores rirem dele, Bolsonaro sempre foi visto como uma piada – ao meu ver, de mau gosto! – disparando contra tudo e todos, numa guerra eterna de desmoralizar quem não pensa como ele e não concorda com o que ele faz.

Mas há semelhanças, que apareceram durante a minha pesquisa sobre Adolf Hitler e Jair Bolsonaro, que passam longe da coincidência. Em um dos textos, que está publicado no site do El País, assinado pelo jornalista Oliver Stuenkel são apontadas frases de efeito usadas por Hitler e uma delas é “Alemanha acima de todos” – nem preciso falar com que isso se parece né mesmo? E tanto os alemães que votaram em Hitler, como aqueles que votaram em Bolsonaro, tiravam por menos os absurdos ditos por esses dois homenzinhos, achavam que eram coisas ditas apenas pra chocar, que eles não iam fazer nada do que diziam – logicamente nos dois casos tem muita gente que concorda com eles!

Pois Hitler fez o que dizia e o resultado todo mundo sabe! E Bolsonaro…