O que os números dizem sobre os finalistas Grêmio e Lanús

Grêmio e Lanús têm muito mais em comum do que se possa imaginar na Libertadores de 2017. As equipes que começam a decidir o campeão da competição nesta quarta-feira (22), na Arena, apresentam números semelhantes em suas campanhas, com a troca de passes intensa e a manutenção da posse de bola como carros-chefe.

Em uma observação mais fria, o Grêmio tem uma leve vantagem nas estatísticas, com oito vitórias, dois empates e duas derrotas em 12 jogos. O Lanús acumula seis vitórias, dois empates e quatro derrotas. Os gaúchos possuem o segundo melhor ataque – ao lado do The Strongest, que entrou na segunda fase da competição –, com 22 gols marcados, enquanto os “hermanos” fizeram 19, em terceiro no quesito. O River somou 28. A defesa tricolor foi vazada oito vezes, e a do Granate, 11.

Reis do passe, mas com uma diferença

Grêmio e Lanús rivalizam intensamente quando se trata de controle e administração do jogo. Cumprem à risca a fama de valorizar a posse de bola, o que é mostrado pelas estatísticas. Somente em duas das 12 partidas disputadas na competição brasileiros e argentinos tiveram menos domínio do campo que o adversário.

O Lanús é o time que mais trocou passes na Libertadores, com 5.282 até a final, e também quem mais acertou: 4.353. Por isso, também lidera os erros de passe, com 929, e tem somente o 32º posto em efetividade, com 82,4% de acertos.

Os gaúchos possuem uma posição mais equilibrada na troca de passes. Estão em terceiro no quesito, com 4.519, em segundo nos acertos, com 4.066, e em 11º nos erros, com 453. Como consequência, o Tricolor só não é mais efetivo nos toques que o Sporting Cristal, eliminado ainda na fase de grupos. Os peruanos contabilizaram 92,5% de aproveitamento, enquanto o time de Renato Gaúcho tem 90%.

Se não é definitivo, há outro dado que pode ao menos dar uma pista da diferença de característica das equipes que decidem a Libertadores de 2017. Segundo levantamento da Conmebol, o zagueiro Braghieri, o volante Marcone e o lateral-direito Gómez, todos do Lanús, são os três primeiros em passes entre os jogadores. O gremista mais próximo deles é Ramiro, em quinto no fundamento. Mais abaixo, aparecem na lista Arthur e Luan.

Ou seja, a equipe argentina usa muito mais jogadores do setor defensivo para controlar a posse de bola. É difícil imaginar que um zagueiro, um lateral e um meio-campista de contenção tenham tanta influência na construção das jogadas ofensivas. Já o time brasileiro articula com mais ênfase por meio de suas principais peças do meio de campo, onde o jogo realmente acontece.

Fonte: GE