O Radar já está em Tapauá porque tem manifestação acontecendo por lá

Já está em Tapauá, um dos nossos mais fiéis companheiros, que apostou no Radar desde quando ele era apenas uma ideia, um projeto maluco de uns poucos (bota poucos nisso) que acreditaram poder fazer algo novo. Zezinho Rodrigues, cinegrafista, com a sensibilidade de quem tem compromisso com a notícia aceitou o convite de um grupo de estudantes universitários, filhos de Tapauá, mas que estudam em Manaus, para acompanhá-los numa viagem ao município, onde os jovens pretendem estar a frente de uma grande manifestação protestando contra os desmandos que estariam ocorrendo naquele município. Os estudantes denunciam que seus conterrâneos estão sofrendo com a falta de estrutura da saúde pública naquele município,  e citaram como exemplos do descaso do Poder Público com o povo de Tapauá, obras inacabadas em postos de saúde, falta de medicamentos, e até ausência de exames laboratoriais, mesmo aqueles mais simples. Eles denunciam que estaria ocorrendo desvio de recursos públicos na Prefeitura daquela cidade. Nesta sexta-feira (19), eles pretendem ir às ruas, numa manifestação que tem como ponto de concentração o chamado Campo do Areal, e como destino final, em frente a prefeitura. Zezinho será a nossa “antena” do Radar em Tapauá para que possamos captar e transmitir a manifestação popular naquela cidade.

Implicante, eu?

E depois ainda dizem que a gente é implicante. Mas, dá pra passar batido, e não ouvir e nem ver, em vídeo, postado bem na cara do site da Câmara Municipal de Manaus, uma entrevista em que o líder do prefeito, vereador Wilker Barreto repete – pelo jeito é sua palavra preferida – a expressão que ele vira e mexe diz em seus discursos de plenário: Problemática. E aí, não é por maldade, mas nós que somos sensíveis as imagens e sons do passado, não temos como não lembrar de Odorico Paraguaçu e uma de suas frases prediletas: “pra toda problemática existe uma solucionática. Certo?

Informações? De quem

E o presidente da Câmara Municipal de Manaus garantiu aos membros do Movimento Passe Livre (MPL) que estão acampados nesta a quarta-feira (17) em frente ao Legislativo Municipal que a CMM vai dar suporte técnico para que eles próprios façam uma avaliação sobre a planilha de custo das empresas de transporte coletivo e os cálculos feitos para se chegar ao preço de R$ 2,75 que é atualmente quanto custa a tarifa de transporte coletivo. E, ao mesmo tempo, o presidente afirmou que eles (integrantes do MPL) terão todos os documentos que forem necessários para poder fazer essa análise da planilha e da tarifa. Mas, vale a pena perguntar: Esses documentos são os mesmos que os vereadores de oposição vivem reclamando que nunca conseguem ter acesso? E as informações e documentos que vão ser repassados são os mesmos que o Sinetram (sindicato dos empresários)  repassa para os vereadores e jura de pé junto que são verdadeiros? E a planilha de custo das empresas que o pessoal do MPL vai analisar, será que é aquela toda “maquiada” onde está registrado que, a cada dia, diminui o número de usuários do transporte coletivo? Porque se for essa é bom a rapaziada do MPL  pedir do presidente um “técnico” que saiba responder se os usuários do transporte coletivo “sumiram” porque ficaram todos ricos e compraram carro, ou foram abduzidos por extraterrestres. No último caso, pergunta pro Barreto, que pra essa problemática ele deve ter a solucionática. Valeu?