O significado da palavra Homem

Por Any Margareth

Tempos atrás ouvi um colega jornalista fazer o seguinte comentário sobre as situações em que homens mais velhos se envolvem com menores de idade: “Essas meninas são umas arretadas. Elas que provocam os caras”. Em outra situação, fico sabendo através de uma colega jornalista que um determinado deputado disse a ela: “Isso (no caso a menina) nem parece ser de menor, já tá é rodada”. Atualmente, após as atuais denúncias contra o prefeito Adail Pinheiro, outro jornalista me diz ao telefone: “Para com esse negócio de atacar o Adail que não vai dar em nada. Tu acha (sic) que ele é o único, é? No interior é tudo desse jeito, ou pior, porque essas molecas não bobinhas, não”. E, essas situações foram acontecendo, uma após a outra, algumas com comentários impublicáveis sobre essas meninas e a forma dissimulada como agiriam pra tirar dinheiro e favores de políticos e empresários. Após tanto ouvir esse tipo de discurso, se não tivesse convicta daquilo que acredito, até mesmo pela experiência de ser de uma família com sete irmãs e ter duas filhas que acabaram de sair da adolescência, acabaria acreditando e reproduzindo os argumentos dessa gente. Mas, se esses caras questionam o comportamento dessas garotas, o que pensar deles? E, aí fiquei pensando sobre o significado da palavra homem, que sempre me pareceu ser tão profundo quanto à palavra mulher, mãe, coisas do gênero que o pessoal canta em verso e prosa. Fiquei pensando sobre o homem arrimo de família, protetor de seus filhos, exemplo de honestidade e retidão. Sobre os homens personificados em príncipes encantados que as meninas se encantam com eles nas estórias infantis, que matam monstros e salvam princesas e até cidades inteiras. Ou na definição da palavra homem que está no dicionário e que se resume a “um ser humano do sexo masculino, adulto, animal bípede da ordem dos primatas pertencente à subespécie Homo sapiens”. Acho que esses caras se enquadram apenas nessa última definição, não é mesmo?

Instinto animal

E o pior é saber que esses “Homo sapiens”  que não são capazes de se conterem diante de “monstruosas meninas manipuladoras” e que acreditam que homem que é homem não diz não para uma transa, seja ela com quem for, estão em vários postos de poder no nosso Estado e no País, onde disseminam essas ideias para filhos, afilhados políticos e quaisquer outros machos dessa mesma espécie. Sem pensar que essas meninas podiam ser suas filhas, suas irmãs, suas sobrinhas, uma garota muita próxima, que com certeza não veria o menor prazer em se vender, ou ser vendida, para algo que pode ser chamado de tudo menos de homem, mesmo que seja com esse “h” minúsculo, afinal Jesus já recebeu a denominado de “Cristo, o Homem”, nesse caso com “H”maiúsculo.

Apenas crianças

E para confundir a cabeça dos incautos, e sempre se colocarem como vítimas de situações “armadas” para os envolverem em escândalos sexuais, eles apontam casos de políticos no exterior, e também no Brasil, que após saírem com prostitutas, enviadas por agências, onde essas garotas são devidamente registradas como “profissionais do sexo”, descobriram se tratar de menores de dezoito anos. Mesmo que não haja concordância com o fato de pagar serviços sexuais de menores de idade, mas há de se convir que haja casos e casos. Nesses determinados casos, pode não haver justificativa para que esses homens gostem de relacionamentos com prostitutas, ainda mais menores de idade, mas há explicação. Afinal, há de se convir que elas não têm aparência de menores de idade e ainda possuem suas idades modificadas em documentos de identificação. Mas, no caso das meninas de Coari, se está falando de meninas de 10 há 14 anos, com cara de criança e corpo de criança. E que são apenas crianças. E ter tara por criança é perversão, doença que não tem cura, e nem deveria ter explicação, e nem perdão, por parte de outros Homens, esses com “H” maiúsculo.