O sucesso do “pacote de bondades” de Wilson Lima

Foto: Divulgação / Assessoria

Pois num é que está dando certo, gente! Nesta terça-feira, tive acesso a números resultantes de pesquisas de opinião pública que mostram que a popularidade de Wilson Lima cresceu. O que antes não passava de míseros 5% de intenção de voto, passou para algo em torno de 8%, a cerca de um mês e meio atrás e agora já atingiu 11% , segundo fontes do Radar ligadas a institutos de pesquisa.

Para isso Wilson Lima não precisou das chamadas políticas públicas, aquelas em que os gestores definem ações para melhorar os serviços públicos, principalmente em áreas essenciais como saúde, educação e infraestrutura. Pra quê gastar tanto tempo com isso, deve ter pensado o Wilson.

O governador apelou mesmo foi pro velho e costumeiro assistencialismo! Sempre dá resultado, segundo o que há de pior na política brasileira. Na lógica cruel desse tipo de político, num precisa muito pra calar a boca de servidor público não, mesmo que mantenha os salários congelados há anos. Pra quê dar aumento real de salários, se tem abono? No caso dos professores, é só usar o dinheiro deles mesmos, do Fundeb, que eles param de fazer campanha por aumento de salário e fica todo mundo feliz no final do ano, pensa Wilson.

É só fazer tudo que é obrigatório mas com pose e propaganda de que está fazendo favor, do tipo abono salarial ou dar uma antecipada no pagamento da primeira parcela do 13º ou ainda pagar abono fardamento destinado aos policiais militares e bombeiros.

Pra ter a simpatia dos milhares de famintos do Amazonas, consequência da falta de ações que gerassem emprego, renda e dignidade, é só distribuir ranchos e cartões de R$ 150 reais, determinaram os estrategistas do governo de Wilson Lima.

Pra mototaxistas tem capacete grátis! Também tem Carteira Nacional de Habilitação (CNH), pra motoristas de Uber. Emprego fácil e garantido! Esse negócio de trabalho formal, com carteira assinada e aposentadoria na velhice, num deu pro Wilson fazer não! Wilson segue o exemplo do mito Messias Bolsonaro, pra arrumar emprego tem que perder direitos – ou seria melhor dizer não ter direito algum a não ser a caridade de quem está no poder.

A educação vai mal, com alunos que aprenderam pouco ou quase nada durante a pandemia porque não tiveram acesso de uma forma ou de outra ao ensino com mediação tecnológica, mas que estão em festa porque agora terão o passe livre estudantil nos ônibus de Manaus. Wilson é um cara legal!

Quem também está em festa são os empresários do transporte coletivo que além de todos os “incentivos” que já têm, isenção de tudo que é jeito e milhões dos cofres públicos sob a justificativa de manter o preço da passagem, agora vão receber mais R$ 150 milhões por ano – enquanto que os ônibus continuam pregando no meio da rua.

Todo mundo ganha com as dádivas do magnânimo governador, só não quem está precisando de remédio, exames e cirurgias nas unidades de saúde pública.

E assim caminha o Wilson com seu pacote de bondades de milhões que devem atingir a cifra dos bilhão. Num importa que para isso, Wilson já tenha endividado o Amazonas em mais de R$ 3 bilhões em empréstimos, o que importa é ganhar a eleição!