Obra da orla fluvial de Eirunepé desaba de vez e é alvo de denúncia ao MPF

eiurunepe

No dia 17 de julho, o Radar mostrou o que estava acontecendo em Eirunepé. Parte da obra da orla fluvial do município, inaugurada há apenas seis meses, tinha desabado. Na data do desabamento, a obra já se encontrava interditada, há um mês, por interferência dos vereadores junto a prefeitura já que eles identificaram rachaduras que poderiam colocar em risco a segurança dos moradores que costumam frequentar a orla da cidade. Agora, o restante da obra também veio a baixo. A confirmação do que está ocorrendo veio através do deputado estadual Luiz Castro (PPS) que, no último domingo (18) estava em Eirunepé.

Ele constatou o desabamento total da orla de Eirunepé (a 1.159 km de Manaus) e disse que vai denunciar ao Ministério Público Federal. O parlamentar já havia entrado com representação na Controladoria Geral da União (CGU) e no Tribunal de Contas da União (TCU), pedindo esclarecimentos sobre o desmoronamento da orla de Eirunepé.

O impacto do desabamento prejudica comércios e residências no entorno da orla, além de representar desperdício de dinheiro público. “O Governo do Estado não pode continuar fazendo obras mal planejadas e mal executadas. Literalmente, se joga dinheiro no rio”, denunciou Luiz Castro. Sob alegação de situação de emergência, devido à cheia de 2009, Eirunepé estava incluído entre os municípios isentos de processo licitatório para a realização de obras. No acordo entre os Governos Estadual e Federal, destinou-se R$ 60 milhões para a construção de muros de arrimo e contenção de taludes, para impedir a erosão das orlas.

Para o parlamentar, isso demonstra a falta de competência da construtora  Socorro Carvalho & Cia, que já esteve envolvida em denúncias de irregularidades no Ministério dos Transportes. Luiz Castro lembrou que a empresa contratada para realizar a obra é responsável pelos problemas, se os erros de construção surgirem no prazo de cinco anos.

Itamarati

Em visita neste fim de semana à Calha do Juruá, Luiz Castro constatou também o desabamento de parte da obra de acesso ao novo porto do município de Itamarati. Segundo o parlamentar, a obra foi mal executada, em uma região com topografia difícil, sem uma drenagem diferenciada. “Em pouco tempo, o porto ficará isolado da cidade por falta de planejamento. A obra não foi feita de acordo com a nossa realidade e necessidade”, assinalou.

Assim como no caso de Eirunepé, o deputado irá acionar o Ministério Público Federal (MPF), a Controladoria Geral da União (CGU) e no Tribunal de Contas da União (TCU), para investigarem as falhas no projeto do porto.