Omar Aziz afirma não ter candidato à presidência por falta de compromisso com a Zona Franca de Manaus

O senador e candidato a governador do Amazonas, Omar Aziz (PSD), ainda não possui candidato à presidência da República. A afirmação foi feita em entrevista à rádio Tiradentes, nessa terça-feira (21).

“Nenhum dos que se apresenta como candidato a presidente mostra interesse em preservar os benefícios fiscais da Zona Franca de Manaus. Eles são evasivos. Falam que vão preservar a Zona Franca, mas nas entrelinhas tratam de renúncia fiscal e reforma tributária que nos afetam. Não há comprometimento firme”.

Um dos primeiros atos dele como governador eleito, a partir de janeiro do ano que vem, será reunir uma banca de advogados tributaristas do Amazonas para realizar um estudo sobre a questão tributária do Estado para ser apresentado ao Governo Federal. “O Amazonas faz sua parte quanto a preservação da floresta, então é justo que tenhamos benefícios. O que São Paulo faz, por exemplo, para ter renúncia fiscal? Temos que brigar por isso e temos advogados competentes aqui para fazer isso”, afirmou o senador ao criticar a postura do atual governador de recorrer a profissional do direito de fora do Amazonas.

Sobre a especulação de que a fábrica de concentrados da Coca-Cola pode deixar a Zona Franca de Manaus, Omar disse ter falado com um dirigente da multinacional. “Fiz um telefonema para um dos dirigentes da Coca-Cola no Brasil e ele me disse que isso não deverá acontecer agora”.

Omar também falou sobre propostas para as áreas de saúde, educação e segurança pública. Ele reforçou a implantação do Ronda Total que irá reunir ações integradas entre as forças de segurança do Estado, inovação, tecnologia, além de ações conjuntas com as prefeituras, igrejas é instituições da sociedade civil promovendo cultura esporte e lazer.

EMPREGO

Por meio de parceria com empresas da iniciativa privada, Omar Aziz irá criar oportunidades de renda para jovens que buscam o primeiro emprego. A ação será desenvolvida por meio do programa ‘Primeiro Passo’. “O Estado firmará convênios com empresários que empregarão os jovens por um período de um ano. Os salários serão pagos 50% pela iniciativa privada e 50% pelo Estado. Ao final do período os que tiverem destaque serão contratados e terão o emprego assegurado”.

Matéria de responsabilidade da assessoria do candidato.