Operação “Céu Limpo” combate queimadas urbanas em Manaus

Foto: Reprodução

Cerca de 2.248 focos de incêndio foram registrados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) no último mês, consolidando o pior mês de junho registrado desde 2007. O número representa um aumento de 19,5% em relação ao mesmo período em 2019 que identificou 1.880 focos.

A projeção de queima recorde das matas já tinha sido alertada por especialistas e ativistas ambientais de organizações não governamentais (ONGs) e coincide com o aumento do desmatamento em meio à pandemia da Covid-19.

Diante desse contexto, em Manaus, medidas de combate aos danos ambientais estão sendo desenvolvidos, como a operação “Céu Limpo”, iniciada na manhã de quarta-feira (29) na sede do Batalhão de Incêndio Florestal e Meio Ambiente (Bifma), localizado no Parque Estadual Sumaúma, bairro Cidade Nova, zona norte de Manaus.

De acordo com o comandante-geral do CBMAM, coronel BM Danízio Valente, a ação é de combate às queimadas urbanas, ocorrência mais frequente na região neste período do ano.

“A elevação da temperatura e a baixa umidade do ar tendem a ocasionar esse tipo de ocorrência. Por essa razão, iniciamos junto ao CBC essa operação de combate às queimadas urbanas. É importante lembrar que a população pode colaborar neste trabalho evitando queimar o lixo do quintal e jogar bituca de cigarro em locais inapropriados”, informou o comandante-geral.

A operação tem como principal objetivo atuar na capital, como explica o comandante do Bifma, tenente-coronel BM Sulemar Barroso.

“Essa ação será realizada pelo Bifma, Batalhão de Bombeiros Especial e Companhia do Comando Geral, que vão compor equipes que estarão em prontidão na sede do batalhão para correr até os incêndios florestais e dar a primeira resposta. Inicialmente, essa operação é da capital, uma vez que já temos uma operação integrada em andamento sob a coordenação do Exército Brasileiro”, disse ele.

Novos equipamentos

Durante a solenidade, o CBMAM também recebeu equipamentos para atuação de combate às queimadas. A doação foi realizada pela WWF Brasil, organização da sociedade civil brasileira, de natureza não governamental, conforme informou a subdiretora de Atividades Técnicas, tenente-coronel BM Suiane Mota.

Os equipamentos, na ordem de R$ 120 mil, é composto de motosserras, motopoda, roçadeiras, mochila extintora Vallfirest, motobomba, abafadores de borracha, facões, coturnos, luvas de proteção, máscaras de proteção respiratória, óculos de proteção e ampla visão, capacetes de segurança, dentre outros itens utilizados nesse tipo de ocorrência.

(*) Com informações da assessoria